Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Quinta-feira, 28 nov 2013 - 09h32

Contagem regressiva: cometa ISON resistirá ao periélio?

Atualização: 28 nov 2013 - 19h15 BRT
Fragmento de ISON pode ter resistido ao periélio

Olá pessoal.
Imagens astronômicas brutas feitas pelo satélite SOHO mostram que um fragmento do ISON pode ter resistido e poderá surgir nos coronógrafos nas próximas horas. Vejam:

Fragmento de ISON
Clique para ampliar

É esperar para ver.



Atualização: 28 nov 2013 - 18h30 BRT

Ao que tudo indica, o cometa C/2012 S1 ISON não resistiu ao periélio e foi consumido pelo calor do Sol.

Lasco C3 fits mostra ISON
Clique para ampliar

Apesar do fim da viagem, o cometa deu um verdadeiro show e pode ser visto durante quase dois dias nas imagens registradas pelo telescópio solar SOHO.

As últimas cenas mostradas pelo telescópio revelaram que ISON havia perdido muito brilho nas últimas horas antes de atingir o periélio, provavelmente devido à intensa sublimação de sua massa gelada.

Apesar de ainda não termos uma confirmação oficial através de imagens, é muito pouco provável que algum fragmento do cometa tenha resistido ao intenso calor da corona solar.

A imagem acima mostra o rastro do cometa ao contornar o Sol, visto através das imagens sem tratamento registradas pelo telescópio solar SOHO. Na foto é possível ver um pequeno fragmento que pode ter sido o último remanscente do cometa.

O vídeo abaixo mostra como foram os últimos momentos do cometa, transmitidos ao vivo pelo ApoloChannel.




Atualização: 28 nov 2013 - 15h20 BRT

Neste momento o cometa ISON está a 2.69 milhões de quilômetros do Sol e apenas 1 hora e 20 minutos do periélio.

O cometa já está escondido pelo anteparo do coronógrafo do instrumento LASCO C3 (azul) do satélite SOHO e deverá ser ocultado pelo anteparo do LASCO C2 na próxima imagem.

Depois disso o cometa estará no periélio e as próximas atualizações já mostrarão se ISON resistiu ou não ao calor da estrela.

Dedos cruzados!



Atualização: 28 nov 2013 - 13h10 BRT

As imagens do telescópio solar SOHO foram reestabelecidas.
Neste momento, o cometa ISON está a 4.036 milhões de km da superfície do Sol e deverá atingir o periélio em 3 horas e 30 minutos.

A imagens do SOHO mostram que o cometa perdeu ligeiramente o seu brilho, mas está aparentemente intacto.




Atualização: 28 nov 2013 - 11h22 BRT

As notícias não são boas. Tweets do pessoal que recebe as imagens do SOHO acabam de informar que o cometa diminuiu consideravelmente de brilho.

A imagem abaixo mostra o cometa ISON penetrando no campo de visão do instrumento LASCO C2. Em breve teremos a atualização na animação.

ISON no LASCO C2
Clique para ampliar



Atualização: 28 nov 2013 - 11h11 BRT

Faltam 5 horas e meia para o periélio e ISON está neste momento a 5.38 milhões de quilômetros do Sol.

Na próxima atualização de imagens o cometa deverá aparecer no campo de visão do coronógrafo LASCO C2.



Contagem regressiva: cometa ISON resistirá ao periélio?
A poucas horas do encontro fulminante com o Sol, as imagens de satélites mostram que ISON é um cometa forte e aparentemente intacto, que possivelmente sobreviverá ao calor de 2 milhões de graus da corona solar. A hora chegou!

Quando for exatamente 16h43 pelo horário de Brasília o cometa ISON será colocado à prova. Desde que partiu da nuvem de Oort há mais de 4 milhões de anos, essa é a primeira vez que o cometa enfrentará um inimigo mortal, capaz de consumi-lo em poucas horas.

ISON é uma rocha de gelo com cerca de 1400 metros de diâmetro e aproximadamente 1.5 bilhão de toneladas e já está sentindo o calor fulminante da estrela que o atrai. Às 09h00 BRT o cometa se encontrava a 6.7 milhões de km do Sol, viajando à extraordinária velocidade de 1 milhão de km/h.

No momento do periélio, às 16h43 pelo Horário de Brasília, ISON "raspará" a estrela, passando a apenas 1.1 milhão de quilômetros da superfície a uma velocidade de 1.3 milhão de km/h.

Essa espetacular velocidade é a sua maior arma, que impede de ser atraído pelo Sol. Se for resistente o suficiente, poderá contornar a estrela e seguir seu caminho. Se for fraco ou estiver fragilizado poderá não aguentar o calor e as forças de maré e será fatalmente pulverizado. Ninguém sabe.

Devido à sua proximidade com o Sol, salvo raras exceções as imagens feitas de Terra não são mais possíveis. A única forma de acompanhar a dinâmica de ISON é através das imagens captadas pelos telescópios espaciais, em especial o observatório heliosférico SOHO, da agência espacial europeia e as sondas gêmeas STEREO A e B, da NASA.

Na quarta-feira, o cometa entrou no campo de visão do instrumento LASCO C3, a bordo do telescópio SOHO e as imagens mostravam um cometa aparentemente intacto e bastante brilhante. De acordo com alguns especialistas, o brilho chegou a atingir a magnitude -2.5 no final do dia, rivalizando com estrelas muito brilhantes como Antares, vista no canto inferior esquerdo da imagem azul disponibilizada nesta página.

Às 11h00 BRT, quando ISON estiver a menos de seis horas do periélio, deverá entrar no campo de visão do coronógrafo LASCO C2, a imagem vermelha exibida ao lado da imagem azul. Esse instrumento tem um campo de visão (FOV) bem mais estreito e permitirá ver com mais detalhes a estrutura cometária e também a aproximação final.

O Apolo11 está acompanhando todos os momentos do cometa e esta página sofrerá atualizações ao longo dia. Será que ISON sobreviverá aos 2 milhões de graus da corona solar? A hora da verdade está chegando!






Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A guerra é mais difícil de começar do que de acabar." - Salústio - historiador - 86-35 a.C