Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Editoria: Astronomia
Sexta-feira, 14 fev 2014 - 11h02

Gigantesca bola de fogo explode sobre o litoral de São Paulo

O objeto rasgou o litoral acima da cidade de Caraguatatuba e foi registrado por câmeras da Bramon, a Rede Brasileira de Observadores de Meteoros. De acordo com os pesquisadores, o bólido atingiu magnitude de -4.7 e entrou na atmosfera a 15 mil km/h.

O evento ocorreu na manhã de quarta-feira (12/fev) às 05h50 pelo horário de Brasília e foi primeiramente detectado pela câmera allsky instalada em São Sebastião, no litoral paulista e alguns segundos depois pela câmera localizada na cidade de Mogi das Cruzes, na região metropolitana de SP.

Ainda não há registro de algum fragmento remanescente, mas de acordo com o pesquisador Carlos Augusto de Pietro, ligado à Bramon, antes de penetrar na alta atmosfera a rocha tinha aproximadamente 25 quilos de massa e densidade similar a de um condrito carbonáceo CM, mas muito poroso.

Os condritos carbonáceos apresentam elevado teor de carbono, normalmente na forma de grafite, além de carbonatos e compostos orgânicos, incluindo aminoácidos. Também podem conter água e minerais alterados pela água. Rochas desse tipo podem ter sido formadas no Sistema Solar exterior.

O mapa com a trajetória mostra que o objeto praticamente cortou a cidade de Caraguatatuba em paralelo à Rodovia Rio-Santos e provavelmente caiu no oceano caso tenha sobrevivido à entrada na atmosfera. Segundo Pietro, a determinação de seu corpo parental (o objeto que deu origem à rocha) ainda está em processo de análise e será divulgada em breve.

Meteoro em São Paulo
Clique para ampliar


BRAMON
A Rede Brasileira de Observadores de Meteoros, BRAMON, é uma iniciativa do pesquisador e astrônomo amador André Moutinho e tem entre seus objetivos a detecção e determinação de possíveis elipses de dispersão de meteoritos.

A insitutição não recebe qualquer verba governamental e todos os custos são provenientes da colaboração dos seus membros.

A rede conta atualmente com quatro estações de detecção automatizadas e sincronizadas entre si, o que permite a triangulação dos meteoros. No último mês a rede detectou seis bolas de fogo e calculou 57 trajetórias de meteoros sobre o território brasileiro.

Recentemente, a BRAMON deu uma forte alavancada na instalação de câmeras graças ao trabalho do pesquisador Eduardo Plácido Santiago, que de forma bastante determinada tem ajudado aos interessados a montar as próprias estações de monitoramento.

Dessa forma, a BRAMON espera que o número de câmeras no território nacional cresça ainda mais, possibilitando monitorar de forma cada vez mais eficiente as bolas de fogo que cruzam diariamente o Brasil, mas que não são detectadas por falta de câmeras de monitoramento.


Artes: No topo, vídeo capturado pela câmera localizada em São Sebastião mostra o momento que o meteoro explode sobre o céu do litoral de São Paulo. O segundo vídeo mostra o mesmo meteoro, capturado pela câmera BRAMON instalada na cidade de Mogi das Cruzes. O objeto estático e brilhante é o planeta Vênus. Acima, a trajetória do meteoro calculada a partir dos dados das estações. Créditos: Câmera de São Sebastião/Eduardo Plácido Santiago, Câmera de Mogi das Cruzes/Marco Mastria, Bramon, Apolo11.com.


       




Direitos Reservados
É vedada a utilização deste texto

Leia nosso Termo de Uso e saiba como publicar este material em seu site ou blog

URL curta dessa página: http://tinyurl.com/kudksja









IMAGENS DE SATÉLITES !    Clique e conheça nosso Vídeo Workshop de sensoriamento remoto e imagens meteorológicas.
Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2014
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard