Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Terça-feira, 27 ago 2013 - 08h16

Hubble: imagem do cometa ISON causa nova polêmica na internet

Uma imagem obtida diretamente dos arquivos do telescópio espacial Hubble está dando o que falar. A cena mostra o cometa ISON, mas uma característica no modo como o Hubble registra as imagens fez o cometa parecer como uma série de traços retos e brilhantes que lembram objetos não identificados.

Cometa ISON se parece com nave alienígena
Clique para ampliar

A cena é a mostrada acima e retrata o cometa C/2012 S1 ISON como visto pelo telescópio espacial no dia 30 de abril de 2013. Ela é uma imagem obtida pela manipulação de parâmetros feita pelo aplicativo disponível no próprio site do telescópio. A imagem no canto superior esquerdo corresponde à mesma cena, mas com o brilho bastante aumentado.

Depois que a imagem revelando os traços foi divulgada, centenas de sites passaram a informar que o cometa ISON era na verdade uma ou mais naves espaciais, ou então que estava se fragmentando perigosamente.

Na realidade, a imagem divulgada não é uma cena única e isolada como fez parecer os blogs que a divulgaram, mas uma série de 5 imagens de longa exposição registradas pelo telescópio durante 40 minutos e em seguida combinadas para formar uma única cena, em um processo chamado "stack". Cada uma tem aproximadamente 480 segundos de duração e podem ser vistas separadamente no mosaico abaixo.

Mosaico de imagens do cometa C/2012 S1 ISON
Clique para ampliar

Diferente dos telescópios em terra que se deslocam para seguir os objetos no céu, o telescópio Hubble se guia pelas estrelas. Assim, para registrar o cometa o telescópio foi mantido travado em uma posição fixa no espaço ao mesmo tempo em que a luz do cometa era registrada. Isso fez ISON ser registrado como um traço, sendo que cada um representa o movimento do cometa durante 480 segundos. O intervalo negro entre cada exposição revela o tempo entre um frame e outro.

O aparente movimento circular é causado pelo movimento do telescópio ao orbitar a Terra. Isso explica os tamanhos diferentes como o cometa aparece em cada exposição, já que o ângulo de observação não é o mesmo para cada uma. No frame número 3 por exemplo, ISON aparece muito menor que nos outros, provavelmente porque neste instante ISON estava quase de frente para o telescópio.

O vídeo acima mostra a animação das imagens. Após combinadas e com o brilho ampliado, a cena revela ISON majestoso e muito mais interessante que os traços isolados das imagens de longa exposição, que nada tem a ver com uma nave espacial. Aguardemos novembro!


Fotos: No topo, a polêmica imagem Ison 130430 WFC3 F814W, que mostra o cometa ISON na forma de traços distintos. Crédito: Hubblesite, Apolo11.com.


Sobre o Autor
Olá pessoal, meu nome é Rogério Leite, Editor-chefe dos sites Apolo11.com e Painel Global. Espero que nossos artigos sejam bastante úteis e que possam ajudar as pessoas a entenderem um pouco melhor nosso Universo!







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard