Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Editoria: Espaço - Tecnologias
Quarta-feira, 19 nov 2008 - 09h51

Aprenda a observar satélites no céu noturno

Todas as pessoas que gostam de observar o céu noturno por várias vezes já presenciaram pequenos objetos luminosos cruzando o firmamento. Alguns desses objetos brilham tanto que causam espanto à primeira vez que são vistos e não conhecer exatamente sua natureza pode trazer muitas dúvidas e incertezas. Daí a serem chamados de OVINIs é um passo, o que aumenta mais ainda a confusão e desconfiança.

passagem da ISS sobre o Rio de Janeiro

O que poucas pessoas sabem é que esses pequenos objetos que cruzam o céu noturno em velocidade constante são os satélites artificiais, que ao serem iluminados pelo Sol brilham tanto quanto as estrelas. No entanto, essa iluminação do satélite contra o fundo escuro não ocorre durante a noite toda, mas somente por alguns instantes após o pôr-do-sol ou nos momentos que antecedem seu nascimento. Durante esses momentos, apesar do céu estar bastante escuro os raios solares refletem obliquamente no satélite a muitos quilômetros de altitude, que assim podem ser visto com facilidade.

Observar os satélites cruzando o céu é uma das mais interessantes atividades científicas e pode ser feita com bastante disciplina, uma vez que se pode prever com muita antecipação quando os objetos poderão ser vistos. Isso envolve uma série de preparativos, mas bastante simples de serem executados.


Condições de Visibilidade
Para que um satélite possa ser observado diretamente é necessário que a luz do sol atinja sua estrutura e seja refletida até nossos olhos. Para que isso aconteça é preciso que os seguintes fatores estejam ocorrendo ao mesmo tempo:

1 - Céu escuro: deve ser noite no local da observação (antes do nascer do sol ou após o pôr-do-sol)
2 - Altura do Sol: o disco solar deve estar entre 10 e 25 graus abaixo da linha do horizonte
3 - Satélite iluminado: os raios de Sol devem estar atingindo diretamente o satélite
4 - Ângulo de elevação: o satélite deve estar a pelo menos 25 graus acima do horizonte

Quando estas quatro condições forem satisfeitas dizemos que o satélite estará potencialmente visível. Isso significa que tecnicamente poderá ser visto, mas outros fatores poderão influenciar em sua observação, entre eles a altitude e o tamanho do satélite, seu material de revestimento e as condições atmosféricas no local da observação.

Tela principal do aplicativo de rastreio Satview

Como regra geral, quanto mais próximo de nós o satélite passar, melhor será sua observação. Essa maior aproximação está diretamente relacionada à altura do satélite acima da linha do horizonte. O ângulo formado entre o satélite e esta linha é chamado de ângulo de elevação e quanto maior for este ângulo mais próximo de nós o satélite estará. O ápice dessa aproximação ocorre quando o satélite está exatamente sobre o zênite, ou seja, 90 graus acima do horizonte, mas nem todas as passagens atingem essa posição.


Iniciando
Para iniciar suas observações, você vai precisar de um programa de rastreio de satélites. Muitos desses programas fazem todos os cálculos e apresentam os melhores momentos de observação. Se você não tem nenhum programa para isso, experimente nosso aplicativo de rastreio. Ele permite que você saiba exatamente onde um satélite está e quando ele passará sobre sua cidade.

Acesse o Satview.org

Em seguida, informe ao aplicativo a sua localização geográfica. Assim, os dados serão calculados levando-se em conta a sua posição.

Para finalizar escolha um satélite de grande visibilidade. Sugerimos a Estação Espacial Internacional, ISS, ou o telescópio espacial Hubble. Ambos são bastante grandes e facilmente visíveis no céu.


Resultados
Utilizando nosso aplicativo vemos que durante os próximos dias o telescópio Hubble poderá ser visto em grande parte do Brasil aproximadamente às 20h00 pelo horário de Brasília, enquanto a ISS poderá ser observada na Região Sudeste por volta das 05h30 do próximo dia 21 (sexta-feira).

Gostou da brincadeira? Então, mãos à obra!


Fotos: No topo, Estação Espacial Internacional fotografada durante passagem sobre a cidade do Rio de Janeiro em agosto de 2008. O rastro é o resultado do longo tempo de exposição da câmera, que permitiu que a luz refletida fosse registrada por mais de 10 segundos. Crédito: Carlos Latuf/Apolo11. Na seqüência, tela principal do aplicativo de rastreio satview.org. Repare a ISS cruzando a região dos Andes na manhã de 19 de novembro de 2008. Crédito: Apolo11.


Direitos Reservados
É vedada a utilização deste texto

Leia nosso Termo de Uso e saiba como publicar este material em seu site ou blog

URL curta dessa página: http://tinyurl.com/35oao9g




Pesquise no Apolo11
Utilize a caixa de pesquisa personalizada
Custom Search





Busca Relacionada
ISS
Hubble


IMAGENS DE SATÉLITES !    Clique e conheça nosso Vídeo Workshop de sensoriamento remoto e imagens meteorológicas.
Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2014
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento

"Se pudesse receber de volta a taxa de inscrição, eu pediria demissão da raça humana" - Red Allen - comediante