Os momentos decisivos

O dia 20 de julho começa com uma série de tarefas a bordo da Apollo 11. Buzz Aldrin se desloca do Módulo de Serviço até o Módulo de Comando e durante duas horas realiza uma série de checagens iniciais e aciona os equipamentos básicos da nave. Em seguida é a vez de Neil Armstrong entrar no Módulo de Comando e efetuar uma nova bateria de checagens.

O narrador oficial da missão informa que na noite passada o comandante Neil Armstrong e o piloto do Módulo Lunar, Buzz Aldrin, dormiram aproximadamente 5 horas enquanto o piloto do Módulo de Comando Michael Collins dormiu quase seis.

O voo completa 97 horas e depois de conferirem novamente todos os procedimentos os astronautas recebem o comunicado do Centro de Controle, em Houston, informando que a desacoplagem dos módulos está autorizada. Armstrong e Aldrin tomam seus assentos no Módulo Lunar e durante três horas conferem cada item da nave que os levaria até a superfície lunar. Apesar do tenso momento, Colins e Aldrin conversam bastante sobre os melhores ajustes da câmera fotográfica.

Com quase 100 horas completadas, as comunicações entre a cápsula e o centro de controle são interrompidas. Como nas trinta órbitas anteriores, a Apollo 11 está outra vez orbitando a face oculta da Lua e os sinais de rádio são momentaneamente bloqueados. Em Houston, o diretor de voo Gene Kranz anda pela sala de controle e confere todas as condições operacionais junto aos controladores. Se tudo estivesse correto os sinais seriam restabelecidos em alguns minutos e os módulos ja estariam desacoplados. E foi o que aconteceu.

Quando finalmente os sinais foram recebidos, as transmissões ja partiam de dentro do Módulo Lunar e as palavras de Armstrong não deixavam dúvidas: "Eagle is undocked" (A Águia está desacoplada). Questionado pelo centro de controle se tudo estava bem, o comandante brincou: "A Águia tem asas!".


Clique para ampliar

Sozinho no interior do Módulo de Comando, agora batizado Colúmbia, Michael Collins confirma que todos os sistemas de navegação estão em perfeito funcionamento, inclusive sua filmadora de 16 milímetros. Durante um quarto de órbita as duas naves voam separadas por aproximadamente 70 metros, mas uma sequência de jatos disparados pela Águia finalmente afasta as duas naves. Enquanto Colins vai permanecer em órbita ao redor da Lua, Armstrong e Aldrin vão simplesmente descer e caminhar sobre a superfície.

Apontado para frente e agindo como freio, o jato do Módulo Lunar destrói o equilíbrio entre a força centrífuga e a força gravitacional e lentamente a Apollo 11 cai em direção à Lua. Já se passam 102 horas e 32 minutos e o altímetro-radar indica 15 mil metros de altitude.


Foto: Cena registrada por Michael Collins, a bordo da nave Columbia mostra o Módulo Lunar desacoplado e se dirigindo em direção à Lua. Crédito: Nasa.
Anterior Próximo




Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Democracia é a procura de soluções aproximadas para problemas insolúveis" - Reinhold Niebuhr