Adeus Lua
A partida e o reacoplamento das naves


Dentro da hora marcada e faltando menos de 10 minutos para a decolagem a nave Columbia surgiu no horizonte lunar. Quase que imediatamente uma sinfonia de sinais eletrônicos começou a ser executada pelos computadores do Módulo Lunar e da nave Columbia, que lentamente se erguia acima da paisagem. Os sinais marcavam a primeira troca de dados entre os computadores das duas naves, necessário para as correções de posicionamento antes do acoplamento. "Estou ouvindo você alto e claro em VHF", disse Michael Collins. "Não poderia estar melhor!".


Clique para ampliar

A partida da cápsula é um dos quatro momentos mais críticos de toda missão, cercado de cuidados redobrados e que deve ser realizada com extrema precisão. Uma falha na propulsão ou ajuste incorreto nos sistemas de guiagem será o fim da missão e fará com que os astronautas não possam mais retornar à Terra. Os últimos minutos são bastante tensos e os procedimentos são relembrados novamente à exaustão tanto pelos astronautas, como pelo centro de controle.

Pelo rádio, a voz arranhada de Neil Armstrong inicia a contagem regressiva:

- 9..., 8..., 7..., 6..., 5..., estágio de abortagem..., braço dos motores..., ascensão, proceder!

O disparo na plataforma de lançamento ocorre após 124 horas e 22 minutos de missão, às 14h22 do dia 21 de julho. Graciosamente a Águia se despede da superfície da Lua, deixando para trás a pequena plataforma de lançamento que antes servira de pernas para a alunissagem. A ascensão é rápida e delicada e nos dez primeiros segundos o Módulo Lunar se desloca a 40 km por hora, mas cada vez mais rápido. De dentro da cabine Buzz Aldrin comenta: "Estou vendo a sombra do módulo. Maravilhoso!".

Um minuto e meio depois da decolagem a nave se desloca obliquamente, a 170 km/h na vertical e 700 km/h na horizontal. A altitude já atinge 3 mil metros e as comunicações entre o capcom Evans e Neil Armstrong são animadoras.

- Velocidade horizontal 1500, vertical 185.
- Eagle, Houston. Temos 3 minutos e tudo parece bem.
- É bom ouvir isso. Estou vendo a cratera Ritter. Dá para ver Schmid também. Cara, isso é impressionante!
- Vocês continuam bem, no caminho correto.
- É lindo. A vista é espetacular!


Clique para ampliar

Três minutos depois de partir o Módulo Lunar alcança a órbita elíptica de 17 x 54 km e instantes depois um segundo empuxo coloca a espaçonave em órbita circular definitiva. O Módulo Lunar e Columbia estão orbitando a Lua em círculos concêntricos, com a Eagle em altitude inferior, movendo-se em velocidade maior.

Utilizando os dados fornecidos pelo computador de bordo e orientado pelo centro de controle, Michael Collins lentamente diminui a diferença de altitude do Módulo de Comando e faz com que ambas as naves viajem no mesmo nível. A operação toda leva aproximadamente três horas e após 128 horas de missão as duas naves se acoplam acima da órbita lunar, às 18:03 do dia 21 de julho.


Foto: Imagem captada por Michael Collins de dentro da Columbia mostra a Terra nascendo sobre o horizonte lunar, instantes antes da Águia partir para o reacoplamento. Acima, a Columbia é fotografada de dentro do Módulo Lunar durante a fase de acoplagem. Crédito: Nasa.
Anterior Próximo




Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Se Você tem de perguntar quanto custa, é por que não pode pagar" - J. P. Morgan