Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Vulcões
Sexta-feira, 6 jun 2008 - 08h44

Imagem em infravermelho mostra detalhes do vulcão Chaitén

Mesmo depois da erupção inicial do vulcão Chaitén, nos Andes Chilenos, em 2 de maio de 2008, a atividade da montanha parece não cessar, lançando constantemente ao ar plumas de fumaça e cinzas vulcânicas que praticamente cobrem toda a região do Chaitén. A atividade vulcânica pode ser constatada na imagem mostrada abaixo, feita pelo sensor ASTER, a bordo do satélite de sensoriamento Aqua no último dia 1 de junho de 2008.

Aster é a sigla em inglês para Radiômetro Avançado de Emissão e Reflexão Térmica. Em outras palavras, um escaner de infravermelho capaz de imagear a Terra através das ondas de calor emitidas ou refletidas pela superfície. A cena mostrada foi feita no período noturno e para que os detalhes pudessem ser realçados, foi falsamente colorizada. Nesta imagem, quanto mais quente, mais brancos são os pixels da imagem.

Como era de se esperar, a área de maior temperatura é a do interior da caldeira do vulcão e o arco ligeiramente menos quente ao seu redor é sua borda. A coluna de fumaça púrpuro-escura que sopra em sentido nordeste a partir do topo da montanha é nitidamente bem mais fria.

Apesar de apresentar temperatura mais baixa, a pluma vulcânica representa um sério risco, já que contém enormes quantidades de cinzas e dióxido sulfúrico. Ao contrário das cinzas comuns resultantes da queima da vegetação, esse tipo de cinza consiste de minúsculas e ásperas partículas de pedra e vidro. Além de perigosas à respiração, as cinzas vulcânicas também encobrem a vegetação, causando doenças graves nos animais que delas se alimentam.

Por outro lado, a combinação do dióxido sulfúrico (enxofre) com a poeira, vapor de água e outros gases presentes na atmosfera, produz uma intensa neblina conhecida como "vog", que quase sempre impede o vôo de aeronaves nos arredores da montanha.


O Vulcão
Chaitén é um vulcão do tipo caldeira, que se forma quando uma violenta e explosiva erupção esvazia completamente a câmera de magma abaixo do cume do vulcão. O topo então desmorona para dentro da câmara, criando uma depressão circular. Conforme a câmera se recarrega, um domo de lava arredondado se forma no interior da caldeira e muitas vezes atingem níveis acima da encosta.

A caldeira de Chaintén mede cerca de 3.5 quilômetros de diâmetro e contém um domo formado por lava obsidiana, de aspecto vítreo. Devido à altitude, seu cume e parte da encosta estão normalmente cobertos de neve. O piso da caldeira é ocupado por dois lagos, ao norte e oeste do domo de lava.

A erupção de 2 de maio marcou o fim de um período de inatividade de aproximadamente 9 mil anos. A última explosão pirotécnica registrada pela montanha remonta ao ano de 7420 AC.

Foto: Crédito de Jesse Allen, com dados fornecidos por GSFC/METI/ERSDAC/JAROS e U.S./Japan ASTER Science Team.






Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Quando estiveres entre lobos, deverás uivar como eles" - G. Gurdjeff