Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Imagens de satélite da Terra
Segunda-feira, 13 jul 2009 - 09h03

Imagens de Satélite mostram desertificação do Mar de Aral

Até 1960, o gigantesco Mar de Aral era o quarto maior lago do mundo, mas lentamente seu volume de água foi diminuindo devido à redução da vazão dos rios que nele desembocam. Hoje em dia seu leito se transformou em um grande deserto salgado com pouca chance de ser recuperado.


Clique para ampliar

O Mar de Aral se localiza na Ásia Central, entre o Cazaquistão e Uzbequistão. No final dos anos de 1980, a diminuição do volume de água dividiu o grande lago em dois leitos menores: o Aral Pequeno, ao norte e o Aral Grande, ao Sul, caracterizado pela forma de uma grande ferradura. Em 2000, o contínuo esvaziamento dividiu o Aral Grande em dois lóbulos menores, ocidental e oriental.

Até 1960, o Mar Aral tinha 68 mil km quadrados de área, com volume estimado em 1.100 km cúbicos de água. Em 1998 sua superfície estava reduzida a 29 mil km quadrados e o volume despencou para 220 km cúbicos. Neste período a salinidade da água subiu proporcionalmente de 10 para 45 gramas de sal por litro de água.

O drama do Aral pode ser melhor compreendido observando as imagens acima, registradas pelo satélite europeu Envisat entre os anos de 2006 e 2009. As cenas mostram uma dramática retração de 80% do lóbulo oriental do lago, que na imagem de 2006 já tinha apenas tinha 11 mil km quadrados. Em 2007 a área era de apenas 10% da original e a salinidade atingiu 100 gramas por litro de água.

O constante esvaziamento do lago deu lugar a um deserto branco e salgado de 40 mil km quadrados, chamado Aral Karakum. Todos os anos as tempestades de areia varrem do leito seco aproximadamente 150 mil toneladas de sal e areia, que são transportadas por centenas de quilômetros causando graves problemas de saúde na população local e tornando os invernos regionais mais frios e os verões mais quentes.

Motivos
O desaparecimento do Mar de Aral é tido como causa natural pelo governo russo, que afirma que o lago estaria morrendo naturalmente devido a fatores climáticos e geológicos, mas a grande maioria dos estudiosos afirma que o ressecamento é provocado pelo desvio das águas dos rios Amu Dária e Sir Dária, que estão sendo usados em larga escala na agricultura e indústrias da região.

Segundo os pesquisadores, a quantidade de água retirada dos rios duplicou entre o período de 1960 e 2000, alavancando a produção de algodão e tornando o Uzbequistão o 3º maior exportador de algodão do mundo.


Fotos: No topo, imagens registradas pelo satélite Envisat mostram claramente o processo de desertificação do Mar de Aral, que até 1960 era considerado o quarto maior lago do mundo. Acima, foto do deserto de Aral Karakun, formado a partir do ressecamento do leito. Créditos: ESA/Envisat/Wikimedia Commons.






Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Amargas são as lágrimas derramadas, mas ainda mais amargas são as que não se derramam" - Provérbio irlandês