Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
quinta-feira, 16 jun 2016 - 09h45

Doce solar: astrônomos descobrem açúcar em estrela distante

Se você pensou que o açúcar que colocamos em nosso cafezinho diário era produzido única e exclusivamente a partir dos vastos canaviais brasileiros, então é melhor rever seus pensamentos. Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que a doce substância também pode ser encontrada ao redor de algumas estrelas.

Formação estelar Rho Ophiuchi
Clique para ampliar

As moléculas de açúcar foram encontradas no gás que circunda a jovem estrela IRAS 16293-2422, localizada a 400 anos-luz de distância da Terra e de acordo com os pesquisadores esta é a primeira vez que a substância é descoberta no espaço ao redor de uma estrela deste tipo. Para os cientistas, a descoberta indica que os blocos que constituem a vida se encontravam no local certo e no momento certo e poderiam ser incluídos nos planetas que estavam prestes a se formar em torno da estrela.

A descoberta foi feita pela equipe do cientista Jes Jørgensen, ligada ao Instituto Niels Bohr, na Dinamarca e foi aceita para ser publicada no periódico especializado Astrophysical Journal Letters. De acordo com o artigo, os estudos indicaram a presença de moléculas de glicoaldeído - uma forma simples de açúcar - no gás que circunda a estrela e apesar do glicoaldeído já ter sido observado anteriormente no espaço interestelar, essa é primeira vez que foi detectado tão perto de uma estrela do tipo solar, em uma distancia comparável à separação entre Urano e o Sol.

"O açúcar que encontramos no gás ao redor da estrela não é muito diferente do açúcar que colocamos em nosso cafezinho" explica Jørgensen.

Para o pesquisador, a descoberta de das moléculas de glicoaldeído pode abrir uma nova linha na pesquisa por vida em outros planetas, já que esta molécula é um dos ingredientes na formação do RNA, que da mesma forma que o DNA, que tal como o DNA, ao qual está ligado - é um dos blocos constituintes da vida.


Radiotelescópio
Em seus estudos, a equipe de Jørgensen utilizou os dados captados pelo radiotelescópio ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), instalado no topo do deserto do Atacama, nos Andes chilenos e recebidos durante a fase de Verificação Científica do instrumento.

Segundo a coautora dos estudos, Cécile Favre, a alta sensibilidade do instrumento nos comprimentos de onda mais curtos nos quais opera foi fundamental nestas observações.


Emissões
A proximidade da estrela IRAS 16293-2422 do nosso planeta a um excelente alvo para os astrônomos que estudam as moléculas e a química em torno de estrelas jovens.

Assim que uma estrela se forma no meio de uma nuvem de gás e poeira em rotação, esta aquece as regiões internas da nuvem e evapora as moléculas quimicamente complexas, formando gases que emitem radiações em diversos comprimentos de onda. Com a ajuda de radiotelescópios poderosos como o ALMA essas emissões podem ser captadas e mapeadas, permitindo aos cientistas estudarem os detalhes das nuvens de gás e poeira que forma os novos sistemas planetários.

"O que é verdadeiramente excitante nestes resultados é que as observações com o ALMA revelaram que as moléculas de açúcar estão caindo em direção a uma das estrelas do sistema", disse Favre. "Além das moléculas de açúcar estarem no local certo para encontrarem o seu caminho até um planeta, estão também se deslocando na direção correta e isso é fantástico!".

Apesar da importância da descoberta, os pesquisadores ainda não sabem ao certo como trazer o açúcar celeste ao nosso tradicional café matinal.


Foto: Imagem infravermelha da região de formação estelar Rho Ophiuchi, onde as moléculas de açúcar foram encontradas. No detalhe, Impressão artística das moléculas de glicoaldeído. Crédito: ESO, Apolo11.com.






Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Um político é capaz de qualquer coisa para permanecer - até mesmo tornar-se um patriota - William R. Hearst