Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Tecnologias
Quinta-feira, 6 abr 2017 - 09h36

Velho satélite europeu está prestes a entrar para orbita cemitério

Após mais de 20 anos observando a Terra, o satélite europeu METEOSAT-7 será aposentado. Mas diferentemente de outros satélites que queimam ao penetrar na atmosfera, METEOSAT-7 será elevado ainda mais, onde permanecerá quase eternamente.

Satelite Meteosat-7
Réplica de um satélite METEOSAT, instalada na frente do prédio da EUMETSAT, em Darmstadt, Alemanha.

Atualmente, o METEOSAT-7 atua na chamada órbita geoestacionária, a 35796 km acima da superfície da Terra, sobre o Oceano Índico, de onde se pode ver toda a África, Europa e parte da América do Sul. Nesta altitude, a velocidade de deslocamento do satélite se iguala à velocidade de rotação da Terra, o que faz com que o equipamento permaneça estático sobre o planeta.

Normalmente, os satélites de orbita baixa levam uma pequena quantidade de combustível para as manobras, permitindo apontamentos precisos antes da reentrada. No entanto, satélites de orbitas muito altas, como o METEOSAT, não levam combustível suficiente para trazê-los 36 mil km para baixo, o que exigira uma velocidade de 1500 m/s.

O combustível extra que esses satélites carregam permite apenas uma leve propulsão para cima, de cerca de 11 m/s, suficiente para erguê-los ao menos 200 km a partir de onde estão. Nesta localidade é que se inicia a região da chamada Orbita Cemitério ou Super Síncrona.

Este procedimento é adotado para minimizar a probabilidade de colisão de detritos com espaçonaves operacionais, o que geraria ainda mais detritos espaciais.

Nos EUA, para obter uma licença para fornecer serviços de telecomunicação a FCC (a ANATEL de lá) exige que todos os operadores de satélites geoestacionários lançados depois de 18 de Março de 2002, se comprometam a reposicioná-los para uma órbita cemitério ao final de sua vida útil.


Satelite Meteosat-7 - Carta de propulsao
Carta de ignições do Meteosat, que o levarão à órbita cemitério.

De acordo com Milan Klinc, engenheiro de dinâmica de voo da EUMETSAT, proprietária do satélite, o METEOSAT-7 tem combustível suficiente para ser erguido por pelo menos 500 km.

"Essa é uma operação longa. o satélite aumentará a altitude a cada meia orbita durante uma série de manobras de propulsão", disse Klinc. "Nós projetamos para que após a queima número três já tenhamos subido os 200 km obrigatórios, mas por uma questão de segurança vamos fazer até nove manobras de queima e subir pelo menos 500 km", explicou o engenheiro.

METEOSAT -7
O satélite METEOSAT-7 foi lançado com sucesso ao espaço em 2 de setembro de 1997, através de um foguete Ariane-44LP H10-3, a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Quando lançado, tinha uma massa de aproximadamente 3450 quilos.

Em nosso site SATVIEW você pode acompanhar os dados orbitais do METEOSAT-7. Clique aqui para acompanhar






Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A guerra nada mais é que a continuação da política por outros meios" - Karl von Clausewitz