Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Terremotos
Segunda-feira, 18 jan 2010 - 09h45

Terremotos: Entenda porque os abalos não podem ser previstos

Devido aos diversos terremotos que ocorreram nos últimos anos e a alguns abalos de pequena intensidade registrados no Nordeste brasileiro, as pessoas passaram a se perguntar por que esses sismos não foram previstos com alguns dias de antecedência, permitindo a possível evacuação das áreas de risco.

Terremoto


Sem dúvida, o alerta antecipado sobre um possível terremoto de grande magnitude evitaria, senão o prejuízo material, a perda de um grande número de vidas, que poderiam deixar calmamente suas residências e procurar um local aberto onde pudessem aguardar até o perigo passar. No entanto, esse tipo de alerta ainda é um sonho entre os sismologistas, profissionais que estudam os movimentos da Terra.


Placas tectônicas
Com exceção dos abalos que ocorrem devido ao acomodamento do solo, como os registrados no Brasil, a maior parte dos terremotos mundiais ocorre na junção das placas tectônicas, gigantescos retalhos sobre os quais os continentes, mares e cordilheiras estão assentados e que estão em constante movimento de flutuação sobre o magma incandescente abaixo delas.

Placas tectônicas
As placas tectônicas são enormes blocos de rocha sobre oos quais continentes e oceanos estão assentados. Esses blocos estão à deriva, impulsionados pelas correntes e convecção geradas no centro da Terra. Para saber mais acesse: Núcleo da Terra: A usina de força que produz terremoto


À medida que se movimentam, as placas tectônicas produzem diversos tipos de esbarrões e escorregões entre si e são esses movimentos os responsáveis pela formação das cordilheiras, fossas oceânicas, atividade vulcânica, cordilheiras meso-oceânicas, terremotos e tsunamis.

Ao todo existem sete placas principais e um vasto número de placas secundárias, cada uma delas com movimento e dinâmicas próprias, com milhares de pontos que se tocam, deslizam e se afastam de maneira completamente caótica, sem que se saiba com clareza onde a tensão provocada pelo movimento está se acumulando ou diminuindo. São nessas regiões que ocorrem os terremotos, a liberação abrupta da energia acumulada ao longo do tempo.


Dificuldades
O maior objetivo dos sismologistas é tentar prever o ponto exato onde haverá a liberação de energia, mas devido à enorme quantidade de parâmetros envolvidos e a inexistência padrões e sinais claros sobre a atividade sísmica, essa previsão ainda não é possível e somente em casos extremamente raros as tentativas de previsão podem dar algum resultado, mesmo assim questionadas por muitos institutos.


Haiti
No caso do Haiti, por exemplo, os cientistas já haviam alertado que a região, situada exatamente na junção entre as placas tectônicas norte-americana e caribenha, estava acumulando grande tensão havia centenas de anos e que a energia poderia ser liberada a qualquer momento na forma de um poderoso terremoto. Essa constatação foi possível devido às medições nos movimentos das placas e potencial de energia acumulada, mas estava longe de se tornar uma previsão uma vez que era impossível dizer quando e em que ponto da junção ocorreria a ruptura e qualquer tentativa de prognóstico seria apenas um palpite.


Califórnia
O mesmo ocorre com a região da costa oeste da Califórnia, onde a placa do pacífico desliza contra a placa norte-americana, a chamada falha de San Andreas. Segundo os pesquisadores, em algum ponto dessa interface poderá ocorrer um sismo de grande magnitude a qualquer momento, mas não se sabe exatamente onde nem quando, uma vez que a junção tem aproximadamente 3 mil quilômetros de extensão e milhares de pontos de estresse mecânico.

A grande quantidade de cidades que se encontram sobre a falha, entre elas São Francisco e Los Angeles, fizeram com que os engenheiros desenvolvessem novas tecnologias de construção capazes de compensar os efeitos dos tremores, mas até hoje não foram testadas sob um intenso abalo de 7 graus como o que atingiu o Haiti.


Sistemas de Alerta
Diante à impossibilidade de prever quando e onde os terremotos acontecerão, mas conhecendo as características de propagação das ondas sísmicas, os cientistas partiram para o desenvolvimento de sistemas de alertas que possam avisar com antecedência a população das cidades. No Japão, por exemplo, os pesquisadores criaram um sistema de aviso de tremores capaz de avisar com 10 segundos de antecedência a chegadas das ondas. Apesar de parecer pouco tempo, 10 segundos de antecedência permitem que as populações deixem suas casas ou procurem abrigo em local seguro, onde possam se proteger ante a chegada do tremor inevitável.

Saiba mais sobre terremotos
Painel Global: Acompanhe os terremotos em tempo real



Arte: Desenho mostra a posição e localização das placas tectônicas sobre a superfície da Terra. As setas indicam o sentido principal de deslocamento. Crédito: Apolo11.com/USGS







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2017
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Quando se procura muito o jeito de se fazer temer, sempre se encontra primeiro o de se fazer odiar" - Montesquieu