Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Aventuras e Expedições
Quarta-feira, 29 mai 2013 - 08h12

Península de Kamchatka: Terremoto sacode terras fascinantes

No ultimo 24 de maio um forte terremoto de magnitude 8.3 balançou a península Kamchatka, uma vasta e pouco conhecida região situada no oriente da Rússia. O tremor a 600 km de profundidade, sob o mar de Okhotsk, resultou da lenta movimentação – cerca de 80 mm/ano - das placas Americana e Eurasiana abaixo da placa do Pacífico.

vulcao avachinsky
Clique para ampliar

Kamchatka é uma região de beleza incomum. São montanhas, vulcões, amplos vales, zonas geotérmicas, florestas e animais selvagens, como os maiores ursos marrons conhecidos.

Sua densidade demográfica é muito baixa, o inverno é rigoroso e os ventos são fortes e constantes. Rios numerosos e topografia exuberante não igualam o encanto dos vulcões. Há mais de uma centena e 28 deles são ativos.

A península integra o Cinturão Circun-Pacífico, uma zona de violência que se estende por 48.000 km em volta do oceano Pacífico. Ali estão 75% de todos os vulcões continentais ativos da Terra e a maior parte dos terremotos do planeta, especialmente os sismos de maior magnitude, os conhecidos super-terremotos.

No sul da península de Kamchatka aconteceu o quarto maior tremor do século 20 - magnitude 9.0, em 4/11/1952 - e desde 1923, foram registrados outros oito sismos com magnitude >= 8.3.


Geologia
A península surgiu como uma cadeia vulcânica submarina que lentamente ganhou altura até emergir na superfície oceânica. Inicialmente foi um cinturão de ilhas que lutou para se firmar contra a fúria do mar, mas novos episódios vulcânicos deram as ilhas mais volume e resistência.

Passado o tempo o extravasamento de mais material vulcânico conectou as ilhas em um só corpo para, finalmente, ligá-lo a massa continental da Ásia. Com o contínuo deslocamento das placas tectônicas a península se vê afetada por intenso tectonismo.

Vulcão Kliuchevskoi e Alberto Vivas Veloso


Convite irrecusável
Foi trabalhando para a ONU na construção de estações de monitoramento de explosões nucleares que conheci Kamchatka.

Na oportunidade recebi um irrecusável convite para juntar-me a uma expedição de cientistas russos para uma viagem de mil quilômetros, durante três dias. Ela foi feita de helicóptero e o alvo eram os vulcões. Com voos rasantes crateras e paredões pareciam ao alcance das mãos e até cheiro de enxofre entrava pela escotilha da cabine.

Sucediam-se cones nevados, crateras fumegantes e edifícios vulcânicos despidos de vegetação e cobertos de lavas escuras. Pairamos acima da cratera do Maly Semiachik, que se eleva a 1.560 m de altura.

Vulcao Maly Semiachik

Conhecido como vulcão do Lago Azul, sua cratera formada há 400 anos agora esta preenchida por água de cor azul-turquesa. Do chão vimos o maior e mais ativo dos vulcões da península, o Kliuchevskoi com o cume beirando os cinco mil metros.

O sul de Kamchatka não esta tão longe do Japão e tal distância parece poder ser percorrida quase que "pulando", de um a outro ponto, ao longo do arco de ilhas das Kurilas.

Para o nordeste, a península mistura-se com o limite oriental do território russo e é bem ali que o estreito de Bering mais se afina. Surpreendente. Apenas um pedacinho de mar separa a Rússia do Alaska. Tal posicionamento geográfico concedeu imensa importância estratégica a Kamchatka, particularmente no período da Guerra Fria.


Guerra Fria
Durante décadas, Estados Unidos e União Soviética armaram-se "até os dentes" para um eventual embate nuclear de consequências imprevisíveis. Cada lado alardeava o poder de suas armas para desestimular o adversário de iniciar um confronto, pois enfrentaria uma retaliação total.

Obter a máxima capacidade de guerrear, justamente para evitar a guerra, pode soar contraditório, mas foi essa doutrina que, possivelmente, salvou o mundo de uma nova grande guerra. Assim, graças ao fenomenal estoque de armas nucleares das duas potências, tornou-se difícil uma guerra entre elas.


Apesar de a atual presença militar ser grande em Kamchatka, dizem que ela é apenas uma amostra do que foi no passado.

De fato vi dezenas de aviões de treinamento se deteriorando ao relento, um sem número de tanques e carros de combates empilhados como se fossem de brinquedo e algumas dezenas de navios de guerra lado a lado, como figuras fantasmas em uma baía de águas tranquilas.

Recentemente, a mídia anunciou que os russos voltaram a patrulhar suas fronteiras com poderosos bombardeiros que andavam aposentados e o governo anunciou investimentos para reativar e aprimorar seus arsenais.

O mundo dá voltas, o tempo passa e o amanhã poderá ser diferente do cenário internacional unipolar de hoje.


Fotos: No topo, parte da península de Kamchatka onde localiza o vulcão Avachinsky. Acima, duas fotos do autor José Alberto Vivas Veloso. Na primeira, em frente ao vulcão kliushevska. Em seguida, retratando a cratera do Maly Semiachik. Créditos: Wikimedia Commons, José Alberto Vivas Veloso, Apolo11.com.

Sobre o Autor
José Alberto Vivas Veloso é geofísico e chefiou por quase duas décadas o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília. Na ONU, ajudou a estabelecer o Tratado de Proibição de Testes Nucleares, dirigindo por sete anos a seção de detecção por infrasom. É autor do livro "O terremoto que mexeu com o Brasil".


Sobre o Autor
José Alberto Vivas Veloso é geofísico e chefiou por quase duas décadas o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília. Na ONU, ajudou a estabelecer o Tratado de Proibição de Testes Nucleares, dirigindo por sete anos a seção de detecção por infrasom. É autor do livro "O terremoto que mexeu com o Brasil".








Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire