Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Terça-feira, 2 set 2014 - 10h02

Gigantesca bola de fogo cruza cidades da Região Sudeste do Brasil

Uma gigantesca bola de fogo rasgou o céu de diversas cidades brasileiras na noite de segunda-feira, produzindo um forte clarão observado desde São Paulo até Minas Gerais. De acordo com a BRAMON, este é um dos maiores bólidos já registrados pelas câmeras de vigilância da instituição.

A rocha entrou na atmosfera terrestre por volta das 19h07 BRT e cruzou parte da Região Sudeste do país vinda provavelmente do sul-sudeste no sentido Norte-Noroeste.

Em diversas cidades houve relatos da bola de fogo, inclusive na capital paulista. Testemunhas disseram que durante o tempo de observação a luz o objeto parecia variar do amarelo no início da trajetória ao branco-azulado nos momentos finais. Nenhum relato, no entanto, confirma a ocorrência de algum estrondo sônico.

Segundo a internauta Adnaloy Andrade, de Pouso Alegre, cidade localizada no sul de MG, a bola de fogo era tão grande e brilhante que chegou a pensar que ia cair sobre sua cabeça. Para Adnaloy, foi assustador e lindo ao mesmo tempo.


Monitoramento
De acordo com informações prestadas pela Rede Brasileira de Observação de Meteoros, BRAMON, este é um dos maiores bólidos já registrados pelas câmeras de vigilância da entidade. Segundo a BRAMON, três câmeras registraram o momento da ruptura, duas delas instaladas em Campinas, SP, e outra em Mogi das Cruzes, SP.

Mapa da pasagem do meteoro sobre São Paulo e Minas Gerais
Clique para ampliar


Uma análise inicial feita por Carlos Apodman Bella, ligado à BRAMON, mostra que a altitude final antes da fragmentação ficou abaixo de 38km , considerada bastante baixa para um meteoro.

A triangulação das imagens permitiu aos especialistas da BRAMON traçarem um shape aproximado da orbita do meteoro, revelando que antes de se chocar contra a alta atmosfera da Terra a rocha orbitava para além do planeta Marte, o que significa que pode ser um dos inúmeros fragmentos pertencentes ao Cinturão de Asteroides.


BRAMON
A BRAMON é uma iniciativa dos pesquisadores independentes Eduardo Plácido Santiago, André Moutinho e Carlos Augusto de Pietro, que em outubro de 2013 iniciaram o projeto de uma rede de monitoramento de meteoros. Menos de um ano depois, a BRAMON é hoje referência em sua área de atuação.

Com cerca de 16 câmeras ativas, a entidade vem obtendo um ótimo índice de registros de eventos de grande porte como este e a taxa de captura de bólidos tem sido de um por mês, o que supera largamente as expectativas iniciais.

Até final do ano as previsões apontam a implantação de mais 5 câmeras em todo território nacional, realizando uma cobertura sem precedentes dos eventos magníficos que eram subestimados nos céus brasileiros.

Se você tem interesse em participar da BRAMON e também quer montar uma estação de vigilância dos céus, entre em contato com a BRAMON através do email: bramon@bramon.com.br.


Artes: No topo, vídeo registrado pela BRAMON mostra o momento em que a bola de fogo cruzava o campo de visão da câmera de monitoramento mantida pelo Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini e operada pelo astrônomo Julio Lobo. Acima, mapa mostra o provável trajeto do asteroide. Créditos: BRAMON, Apolo11.com.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire