Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Quinta-feira, 18 out 2018 - 09h16

Imagens revelam a fantástica paisagem de um cometa

Em março de 2004, a espaçonave europeia Rosetta decolou da Guiana Francesa a bordo de um foguete Ariane 5, rumo ao cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Dez anos depois, em novembro de 2014, Rosetta chegou ao seu alvo e durante dois anos permaneceu na orbita do cometa, coletando informações sobre o ambiente, superfície, gás e poeira.

Superficie do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko
Imagens coletadas pela sonda Rosetta mostram em detalhes a paisagem do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Em 30 de setembro de 2016 a espaçonave atingiu o ponto mais baixo da orbita e concluiu sua missão com um impacto controlado contra a superfície cometária.

Durante sua missão, Rosetta coletou milhares de dados e até agora os pesquisadores estão mergulhados na infinidade de informações obtidas. Entre os dados coletados estão milhares de imagens, feitas em diversos comprimentos de onda.

A cena mostrada no topo é uma dessas imagens. Ela foi feita em 22 de setembro de 2014, quando Rosetta estava a apenas 26,2 km da superfície (28,2 km do núcleo). A foto é uma combinação de três imagens registradas pelo instrumento OSIRIS em três comprimentos de onda diferentes e foi processada pelo astrônomo amador Jacint Roger Perez, que recuperou as cenas do banco de dados da ESA, Agência Espacial Europeia.

Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, com detalhes para os dois lobulos que formam o corpo da rocha.
Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, com detalhes para os dois lóbulos que formam o corpo da rocha.

A imagem é bastante significativa, já que foram registrados detalhes bastante significativos da superfície de 67P. Por exemplo, ao centro e à esquerda do quadro está a região conhecida como Seth, uma das áreas geológicas situadas no maior dos dois lóbulos do cometa e que é caracterizada por plataformas em camadas. Esta região se inclina em direção à região mais suave de Hapi, uma área coberta de pedregulhos que forma o “pescoço” do cometa que conecta os dois lóbulos.

Ao fundo pode-se ver pedaços das regiões Babi e Aker, ambas localizadas no lóbulo grande de 67P. Na área mais nítida e mais baixa da imagem está a falésia de Assuã, uma escarpa de 134 metros de altura que separa as regiões de Seth e Hapi.

Pouco antes de a imagem ser tirada, um pedaço dessa escarpa entrou em colapso como resultado do cometa atingir o periélio, a distância mais próxima do Sol, em 13 de agosto de 2015.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A gente só diz sim ou não no casamento e, ainda assim, às vezes erra." - Itamar Franco