Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Sexta-feira, 14 nov 2014 - 08h36

O misterioso som do cometa 67/P. Como diria Spock, fascinante!

Logo após o pouso da nave Philae na superfície do cometa 67/P, milhares de sites passaram a divulgar um som que supostamente seria produzido pelo cometa. Alguns diziam ser a própria voz da rocha ou que o cometa estaria cantando. Afinal, o que é esse estranho e fascinante som?

Senhor Spock - Fascinante
Clique para ampliar

Antes de qualquer coisa, esse som não é produzido pelo cometa. Ele é o registro numérico feito pelos magnetômetros da espaçonave Rosetta desde agosto e que reflete variações no campo magnético de 67/P. Esses dados, após processados, se transformaram em um gráfico, com múltiplas intensidades, picos e vales.

Se essas variações fossem convertidas diretamente em sons seriam totalmente imperceptíveis, pois ocorrem de forma muito lenta.

Para ter uma visão global dessas oscilações e poderem apresenta-las de forma mais interessante, os cientistas aceleraram os registros em mais de 10 mil vezes, fazendo com que as ondas aumentassem sua frequência até se tornarem audíveis.


Terremoto no Chile - acelerado 300 vezes

Esse procedimento é bastante comum de ser realizado sempre que os pesquisadores estão diante de um evento de muito longo período. Um exemplo típico é a aceleração das ondas dos terremotos, impossíveis de serem ouvidas por terem frequência muito baixa, ou longo período.

O oposto também é possível e permite que eventos de duração extremamente curtas, como explosões ou raios, possam ser estudados de forma mais detalhada. Esse tipo de trabalho se tornou muito popular com as chamadas "super câmeras".


Sons do Cometa
No caso do cometa 67/P, os cientistas não estão interessados no mecanismo que produz o som. Isso eles já sabem, afinal foram eles que aceleraram o gráfico. O interesse da ciência está em encontrar os motivos que fazem o campo magnético do cometa variar e essa é o primeiro grande legado produzido como os dados da missão Rosetta. E as perguntas são muitas.

OUÇA O SOM DO COMETA


Outros cometas também podem apresentar essa variação? Seria ela causada apenas pela rotação da rocha ou pela interação do seu fraco campo magnético com a ionização das partículas neutras dos gases? Que tipos de cometas podem apresentar variações no campo magnético? No caso de 67/P, por ser um contato-binário qual o hemisfério da rocha é responsável pela variação? Que quantidade de ferro e/ou tamanho de núcleo poderia causar as variações na intensidade registrada? Qual o provável shape de um possível núcleo de ferro?

Como podemos ver, a missão Rosetta/Philae nem bem desceu e já produziu dados suficientes para muito tempo de pesquisa.

Como diria Sr. Spock, de Jornada nas Estrelas, "Fascinante"!

Bons céus, VLP!







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Roubar não é só meter a mão na carteira das pessoas. Roubar é gastar errado com mordomias, com obras faraônicas, privilegiando quem já tem." - Ciro Gomes