Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Tecnologias
Sexta-feira, 19 fev 2016 - 18h03

Histórico: satélite Vanguard 1 está há mais de 60 anos no espaço

A história da exploração espacial tem muitos feitos a comemorar nos últimos 60 anos. Desde o lançamento do primeiro satélite artificial, o Sputnik, em outubro de 1957, até as mais recentes descobertas feitas pelas sondas extraterrestres, os motivos para celebração não param de crescer, e se depender da vontade dos pesquisadores espaciais, ainda teremos muitas velinhas pela frente.

Satelite Vanguard 1 sendo montado no topo do foguete lancador
Satélite Vanguard 1 sendo montado no topo do foguete lançador

Em 17 de março de 1958, partia de Cabo Canaveral, na Flórida, o quarto satélite artificial feito pelo homem, o Vanguard 1. Poderia ser apenas mais uma informação sobre a grande corrida espacial do século 20 se não fosse por um pequeno detalhe: O Vanguard 1 é o mais antigo satélite que ainda orbita a Terra. Seus predecessores, Sputnik 1 e 2 e Explorer 1 reentraram na atmosfera pouco tempo depois de lançados.


Pioneirismo
Vanguard 1 foi o primeiro satélite a usar células solares para alimentação dos circuitos internos e foi lançado como uma das contribuições dos EUA para o Ano Geofísico Internacional, IGY, entre julho de 1957 e dezembro de 1958.

Três instituições, todas militares, participaram do projeto.

Ao exército coube as operações das estações de rastreio enquanto a força-aérea providenciou o local de lançamento. Todo o equipamento científico ligado à coleta de dados ficou a cargo do NRL, Laboratório de Pesquisa Naval norte-americano, responsável perante os organizadores do IGY em colocar os experimentos ao redor da Terra.


Pequeno Notável
O Vanguard 1 não era um satélite grande. Ao contrário. Media aproximadamente 15 centímetros de diâmetro e seu peso não passava de 1500 gramas. Para ter uma ideia, o Sputnik 1 pesava aproximadamente 100 quilos. Devido às suas pequenas dimensões foi chamado pelo então primeiro-ministro soviético, Nikita Khrushchev, de "satélite-pomelo".

Satélite Vanguard 1 sendo preparado por um dos cientistas do projeto. As pequenas caixas quadradas ao redor da estrutura são as células solares, desenvolvidas pelos Laboratórios Bell em 1954. O lançamento do Vanguard 1, quatro anos depois, provou que as células podiam durar muitos anos no espaço.


Desde que foi lançado, o Vanguard 1 já executou quase 229 mil revoluções ao redor da Terra, percorrendo uma distância superior a 9.5 bilhões de quilômetros, bem maior que a distância da Terra a Plutão. Quando foi lançado, forneceu importantes informações sobre o tamanho e deformação do nosso planeta e estabeleceu uma série de recordes espaciais.

Vanguard 1 também foi pioneiro em muitas das tecnologias aplicadas aos satélites norte-americanos e provou que as células solares poderiam ser empregadas por diversos anos na alimentação de transmissores e circuitos eletrônicos.

Para ter uma ideia, os pequenos painéis solares instalados ao redor do satélite operaram os circuitos por mais de 7 anos. Se fossem alimentados por baterias convencionais não funcionariam por mais de 20 dias.


Missão Cumprida
Vanguard 1 cumpriu 100% dos seus objetivos científicos. Entre eles se destacaram:

  • Foi o primeiro satélite a operar com células solares
  • Retornou valiosas informações sobe a densidade do ar, variações de temperatura e impacto de micrometeoritos.
  • Manteve-se em órbita tão estável que permitiu aos cartógrafos redesenhar os mapas das ilhas do Pacífico
  • Comprovou que a Terra não era uma esfera perfeita e sim achatada nos polos.

    Apesar do sinal de localização cessar em 1964, até hoje Vanguard 1 continua servindo à comunidade científica. Diversas estações de rastreio, oficiais e amadoras, diariamente calculam sua posição e fornecem importantes dados sobre os efeitos do Sol, Lua e alta atmosfera nas órbitas dos satélites.

    Orbita estável
    Quinze anos após seu lançamento, Vanguard 1 se localizava em uma órbita com apogeu de 4 mil quilômetros acima da superfície da Terra, enquanto seu perigeu era de 566 quilômetros. No ano de 2000 sua altitude havia decaído para 3316 quilômetros de apogeu e 563 quilômetros de perigeu. Seu período orbital caiu de 133.8 minutos para 132.8 minutos.

    Apogeu é o ponto de maior afastamento de um satélite com relação à Terra e perigeu é o ponto de maior aproximação. Período é o tempo que o satélite leva para completar uma órbita.

    Na época do lançamento do Vanguard, os cientistas do NRL construíram em diversas partes do planeta uma série de estações de rastreio a qual deram o nome de Minitrack. Essas estações captavam os sinais do Vanguard e calculavam os parâmetros orbitais que eram usados na previsão de posição e determinação das órbitas futuras. Alguns anos mais tarde o Minitrack deu origem ao atual Sistema de Vigilância Espacial, dos EUA, que tem a capacidade de detectar e calcular parâmetros de qualquer satélite desativado que passa sobre o país.

    Dois Mil Anos
    Quando foi lançado, as estimativas eram de que o Vanguard 1 deveria se manter em órbita por pelo menos 200 anos. Desde então esse número só cresce e de acordo com os últimos boletins de decaimento, a expectativa de vida de Vanguard 1 já ultrapassa 2 mil anos.

    Sofrendo muito pouco a influência da atmosfera, o Vanguard perde pouca altitude ao longo dos anos. Isso permite que se mantenha em órbita por muito tempo, fazendo com que as futuras gerações lembrem sempre dos primeiros anos da era espacial.







  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "As leis não são feitas para o homem bom" - Sócrates