Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Curiosidades e Conhecimento
Terça-feira, 13 fev 2007 - 10h33

Satmaps: Conheça Arecibo, o maior radiotelescópio fixo do mundo

Construído na região norte de Porto Rico, o radiotelescópio de Arecibo é o maior radiotelescópio fixo do mundo.

Sua antena, construída em 1963 no interior de uma cratera vulcânica, tem 305 metros de diâmetro e é formada por 39 mil pequenas chapas de alumínio, cada uma medindo aproximadamente 1 x 2 metros. Foi projetado e construído sob a coordenação do cientista norte-americano Willian Gordon, da Universidade de Cornell, e a princípio tinha como objetivo o estudo da ionosfera terrestre.


Clique para ver no satMaps

Para o estudo, o professor Gordon utilizou poderosos pulsos de radar, que após se chocarem com a ionosfera eram rebatidos de volta à antena. Como os sinais refletidos eram extremamente débeis, uma antena de proporções avantajadas seria necessária.

Hoje em dia, apenas uma pequena fração do tempo de operação do radiotelescópio é usada para o estudo da ionosfera. Durante a maior parte do período o equipamento é utilizado para o estudo das galáxias e astronomia dos pulsares, além da busca constante de vida inteligente fora da Terra.

A grande vantagem do radiotelescópio de Arecibo é sem dúvida o seu tamanho, que permite que os mais débeis sinais emitidos a centenas de anos-luz possam ser captados. No entanto, seu tamanho gigante e sua tecnologia de construção fixa é um impedimento para que possa ser orientada em outras direções, ficando reservado à observação de uma área fixa no céu. A maior parte dos outros radiotelescópios pode observar de até 90% do céu, mas não têm a sensibilidade de Arecibo.


Descobridor do espaço
O radiotelescópio de Arecibo é um importante descobridor do espaço profundo. Em 7 de abril de 1964, alguns meses após sua inauguração, o pesquisador Gordon Pettengill e sua equipe determinaram com seu auxílio que o período de rotação de Mercúrio era de 59 dias e não de 88 como até então era estimado. Em 1989 o Observatório de Arecibo, a alguns quilômetros a oeste da antena, fez a primeira foto de um asteroide da história, ao registrar em detalhes o objeto 4769 Castalia. No ano seguinte o astrônomo polonês Aleksander Wolszczan descobriu o pulsar PSR B1257+12. Mais tarde Wolszczan identificou dois objetos que orbitavam o pulsar, tornando-se estes os dois primeiros planetas extrassolares descobertos.

Durante o período da Guerra Fria, forças norte-americanas utilizaram constantemente o radiotelescópio com a finalidade de localizar instalações de radares soviéticas, estudando a reflexão dos sinais após serem rebatidos pela Lua.

Arecibo é a também a fonte de dados para o projeto SETI, proposto pelos cientistas da Universidade de Berkeley, nos EUA, e que tem como objetivo a tentativa de captar sinais emitidos por possíveis civilizações exteriores.

Em 1974, cientistas liderados pelos astrônomos Frank Drake e Carl Sagan utilizaram o radiotelescópio para enviar em direção ao cúmulo globular M13, distante 25 mil anos-luz, aquela que ficou conhecida como a "Mensagem de Arecibo", uma emissão de rádio de 1679 bits (acima). O pacote de dados em formato binário representava imagens que pudessem, e ainda podem, ser interpretadas por outras civilizações. Entre as imagens estavam números, pessoas, fórmulas químicas e um telescópio.

Fotos: No alto, imagem de satélite disponível para navegação, mostra o radiotelescópio de Arecibo encravado sob a cratera de um vulcão extinto. Para navegar pela imagem clique sobre ela. O gráfico acima mostra a "Mensagem de Arecibo", enviada em 1974 através do equipamento. A mensagem foi a primeira tentativa humana de se comunicar com outras civilizações inteligentes. A mensagem original não continha cores, que foram inseridas para facilitar a identificação dos elementos.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"As leis não são feitas para o homem bom" - Sócrates