Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Brasil no Espaço
Segunda-feira, 30 jul 2007 - 09h31

Afinal, o que aconteceu com a carga de instrumentos do foguete VSB-30?

De acordo com autoridades da AEB, Agência Espacial Brasileira, o lançamento do foguete brasileiro VSB-30, no dia 19 de julho, pode ser considerado um sucesso. Segundo as autoridades, o propulsor se comportou de acordo com o previsto e permaneceu em ambiente de microgravidade por seis minutos, recebendo a certificação de máquina operacional.

No entanto, se para as autoridades aeronáuticas o lançamento é considerado um sucesso, para os cientistas que viram seus experimentos se perderem no oceano Atlântico a operação é um completo fracasso.

A perda da carga útil, aproximadamente a cinco quilômetros da plataforma de lançamento está envolta em mistério e falta de informação. Diversos pesquisadores cobram maior transparência das autoridades responsáveis pelo lançamento e acreditam que houve falta de empenho no resgate dos experimentos dentro do módulo de carga.

O grau de dificuldade envolvido na operação é alto. São diversos mecanismos que devem operar de forma sincronizada e a geração constante de sinais telemétricos é a única forma de monitoramento dos parâmetros durante o vôo. A perda ou falha na telemetria é grave, já que deixa às cegas os operadores em terra. Por isso, as autoridades precisam informar com maior clareza uma série de detalhes que continua sem uma explicação convincente.

  • 1 - As condições meteorológicas estavam mesmo favoráveis no dia 19 de julho?
  • 2 - O mecanismo de separação da carga útil funcionou corretamente?
  • 3 - Os sinais da telemetria da carga útil foram perdidos antes ou depois da separação?
  • 4 - Quais os dispositivos redundantes de localização que o compartimento de carga possuía e porque não funcionaram? Quais eram os dispositivos usados?
  • 5 - A carga útil permaneceu mesmo em ambiente de microgravidade por seis minutos como afirmam as autoridades?
  • 6 - O que aconteceu com o pára-quedas? Enrolou ou não abriu?
  • 7 - Afinal, qual era a prioridade do evento: a carga útil com os diversos experimentos ou o lançamento do foguete que precisava ser homologado com urgência?

    Segundo informações oficiais, foram feitas cinco tentativas de resgate em círculos concêntricos. Em nenhuma das operações observou-se qualquer sinal da carga. Se de fato o pára-quedas não abriu, a carga com os experimentos deve ter se chocado com o mar e afundado mais de 2500 metros. No mesmo dia do lançamento, outra nota informava que estudos técnicos seriam feitos para se descobrir os motivos da falha dos sinais, mas até agora não houve qualquer pronunciamento.

    Enquanto a resposta não vem, continuam as especulações sobre o que realmente aconteceu e o que fazer para corrigir os procedimentos e evitar novas falhas.

    Fotos: No topo, a carga útil com os experimentos é submetida a testes antes de ser integrada ao corpo do foguete. Na seqüência o módulo é apresentado aos jornalistas no CLA, Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão.







  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "Dignidade não consiste em possuir honrarias, mas em merecê-las" - Aristóteles