Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Brasil no Espaço
Quarta-feira, 1 fev 2006 - 06h58

Cientistas criticam gastos com ida de brasileiro ao espaço

Em março o Brasil marcará sua presença no espaço, enviando à estação orbital o primeiro astronauta brasileiro, mas outra contagem é feita entre alguns cientistas: a de quanto tempo mais demorará para que o País tenha autonomia no setor espacial, principalmente no desenvolvimento de satélites.

Na segunda-feira, o diretor do INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, engenheiro Gilberto Câmara, afirmou que o País precisa de fato de um "programa espacial do tamanho do Brasil",e que seja motivado por resultados. "Não é só uma questão de colocar astronauta, cosmonauta ou taikonauta no espaço."

A declaração de Câmara foi dada em São Paulo, enquanto apresentava aos membros da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) seu projeto de gestão - com foco justamente no desenvolvimento de satélites.

Em seu discurso, o presidente do INPE afirmou que "não vamos ser os atores principais no exterior lançando homens ao espaço ou participando na ISS (Estação Espacial Internacional), nem em viagens a Marte". De acordo com Câmara, o investimento no setor espacial tem de dar retorno e ser mensurado, para que a sociedade veja o retorno do que ela investiu.

A viagem do astronauta Marcos Pontes, marcada para março, custará ao contribuinte brasileiroaproximadamente 15 milhões de dólares, pagos à Roskosmos, a agência russa.

Segundo especilaistas, esse valor é suficiente para desenvolver um sistema de controle de órbita dos satélite. Essa tecnologia é fundamenteal para que o satélite seja orientado na posição desejada e apontar as câmeras corretamente.

No seguimento espacial quem tem o conhecimento não o divide. Os chineses, que fornecem o sistema de controle de órbita no projeto sino-brasileiro CBERS, não ensinam para os técnicos daqui. O mesmo fazem os russos, que vêem o Brasil como um potencial cliente e até deram desconto nos US$ 20 milhões normalmente cobrados por viagens como a que Pontes fará. "O Brasil não está a serviço do programa espacial, como um exemplo do que pode ser no futuro, mas o programa deve estar a serviço do Brasil", afirmou Câmara.

Segundo o diretor do Inpe, tanto a Nasa quanto a ESA, (agência espacial européia), já demonstraram interesse em comprar as imagens do CBERS, uma vez que o satélite Landsat está a ponto de ser aposentado.

A SBPC também não concorda com o investimento alto, neste momento, em missões que envolvam astronautas e a ISS.

"Em 1986, já havíamos detectado que o sistema de direcionamento de satélites é uma questão estratégica. Hoje pegamos carona na tecnologia de outros", disse o presidente da sociedade, o físico Ennio Candotti. Segundo Candotti, os US$ 10 milhões investidos na viagem espacial de Pontes seriam suficientes para que o País obtivesse total autonomia nesta tecnologia.

Recursos humanos não seriam um problema, uma vez que há cientistas brasileiros qualificados para a tarefa. "A missão do astronauta, apesar de meritória, é como servir uma sobremesa antes de ter o prato principal pronto", afirma.

Por sua vez, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Sergio Gaudenzi, afirmou que o dinheiro chegará a seu tempo. O orçamento pedido para este ano, de US$ 200 milhões, seria o início do investimento em tecnologias de base, como sistemas inerciais pedidos por Câmara e Candotti.

No enatanto o valor ainda não foi aprovado e precisa ser dividido entre três setores espaciais: satélites, foguetes e bases de lançamento. "Se US$ 170 milhões forem aprovados, estaremos em um patamar bom para que se possa remontar um programa que ficou parado nos últimos anos", diz ele.

Enquanto o dinheiro não vem, isso Gaudenzi sugere que os técnicos brasileiros captem o que puderem dos colegas chineses durante a montagem dos próximos satélites sino-brasileiros. "Se você me perguntar "como fazer?", eu digo que precisamos trabalhar com eles para aprender. Os brasileiros têm de ser espertos, observar, pegar o que eles sabem."


Estação Espacial
O Brasil se comprometeu a gastar de US$ 8 milhões a US$ 10 milhões por ano com a Estação Espacial Internacional. O presidente da agência brasileira espera reduzir o valor para US$ 6 milhões se obtiver um processo menos oneroso na produção do equipamento que será enviado para lá. É muito menos do que os US$ 120 milhões que o governo investiria inicialmente, em troca do envio de Pontes para o espaço.


Veja também:

  • Foguete brasileiro explode na Base de Alcântara, matando 21 de pessoas
  • Confirmado: astronauta brasileiro irá à ISS em março de 2006
  • Matérias sobre tecnologia espacial
  • Boletins StarsatNews
  • Aprenda a receber imagens meteorológias diretamente dos satélites
  • Participe de nosso Workshop de Imagens de Satélites






  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard