Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Brasil no Espaço
Segunda-feira, 19 dez 2005 - 07h57

Há 40 anos, Brasil lançava o primeiro foguete de sondagem

A última quinta-feira, 15 de dezembro, foi marcada com uma importante comemoração para o programa espacial brasileiro.

Há 40 anos, às 16h28, era lançado o primeiro foguete de sondagem a partir do território nacional. O lançamento aconteceu, à epoca, no recém-lançado Centro de Lançamento Barreira do Inferno (CLBI), em Natal (RN), com um foguete norte-americano Nike-Apache.

O foguete tinha o objetivo de coletar dados para estudos das densidades diurnas e noturnas de elétrons e íons e dos fluxos de radiação ultravioleta na ionosfera. Desde a inauguração do CLBI, hoje vinculado ao Comando da Aeronáutica, foram feitas mais de 2.700 operações de lançamento, muitas delas em parceria com outras agências espaciais.

Com a evolução do conhecimento adquirido na área de foguetes, começou-se a visualizar planos mais ambiciosos com o objetivo de desenvolver um lançador de satélites próprio, capaz de garantir a autonomia ao país de colocar em órbita seus próprios artefatos espaciais.

Hoje, o Brasil exporta foguetes de sondagem para a Alemanha - no início de dezembro foi lançado com sucesso um VSB-30 para a realização de experimentos em microgravidade a partir de Kiruna, na Suécia. Também caminha-se para a realização de um novo teste do Veículo Lançador de Satélites (VLS-1) em 2007 e de uma família de lançadores baseada no mesmo.


Veja também:

  • Foguete brasileiro explode na Base de Alcântara, matando 21 de pessoas
  • Confirmado: astronauta brasileiro irá à ISS em março de 2006
  • Matérias sobre tecnologia espacial
  • Boletins StarsatNews
  • Aprenda a receber imagens meteorológias diretamente dos satélites
  • Participe de nosso Workshop de Imagens de Satélites






  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ningém que não entenda." - Cecília Meireles