Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Estação Espacial
Quarta-feira, 29 jun 2011 - 10h58

Lixo espacial: pela segunda vez astronautas abandonam a ISS

Pela segunda vez em dois anos, os astronautas a bordo da Estação Espacial tiveram que abandonar a segurança da nave e se refugiarem no interior de uma das cápsulas de emergência. O motivo foi a possibilidade de choque da ISS com uma peça de lixo espacial, que poderia avariar seriamente o complexo espacial.

De acordo com a Agência Espacial Europeia, ESA, não se pode afirmar com segurança qual o tipo de peça, mas devido à altitude era provavelmente parte de um foguete propulsor ou fragmentos da colisão entre os satélites Iridium e Cosmos ocorrida em 2009.

Segundo a Nasa, agência espacial americana, o fato da peça ter sido detectada por radar indica que tenha mais de 10 centímetros de comprimento. Ainda de acordo com a instituição, a distância entre o fragmento e o complexo orbital foi estimada em 335 metros, mas não deu maiores informações sobre a velocidade relativa entre eles.

Os astronautas permaneceram no módulo salva-vidas por cerca de duas horas, quando então foram informados que não haveria riscos de colisão.


Riscos
A blindagem externa da Estação espacial Internacional, ISS, pode resistir a impactos de objetos de até 2 centímetros, mas o aumento de incidentes espaciais nos últimos anos fez crescer a possibilidade de choques com fragmentos bem maiores, chegando a 1 chance em 100 a cada seis meses.

A Nasa estima que existem pelo menos 20 mil peças maiores que 10 centímetros de largura orbitando a Terra e pelo menos 500 mil fragmentos maiores que uma bola de gude. Dependendo da velocidade relativa entre os objetos e a ISS, o choque pode romper a blindagem da nave e provocar sérios danos à nave ou à tripulação.

Desde 1999 a ISS já fez doze manobras para evitar colisões com restos de lixo espacial, incluindo uma em abril de 2011, quando o laboratório precisou desviar de um fragmento gerado pela colisão entre os satélites Iridium, dos EUA e Cosmos, da Rússia.

Apesar dos grandes pedaços de lixo espacial serem altamente nocivos à ISS, os pequenos objetos também causam grandes preocupações. Pedaços de poucos milímetros podem ser mortais se perfurarem trajes espaciais ou romperem suprimentos de oxigênio durante atividades extraveiculares, EVA.

Estima-se que a colisão entre satélites em 2009 gerou pelo menos 2 mil peças de lixo espacial, que continuam a circular a Terra em órbitas cada vez mais baixas, muitos deles ainda na mesma altitude da ISS. Em 2007, a explosão proposital de um satélite chinês adicionou ao espaço mais 3 mil fragmentos.


Artes: No topo, a grandiosidade da Estação Espacial Internacional, a 350 km acima da Terra. Na sequência, fragmentos orbitais em diversas altitudes. O anel externo é a zona dos satélites geoestacionários, conhecida como Cinturão de Clarke. Crédito: NASA Orbital Debris Program Office/Apolo11.com.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire