Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Meio Ambiente
Sexta-feira, 13 ago 2010 - 08h27

Estudo inédito usa satélites para calcular vazão do Rio Amazonas

Um estudo norte-americano pronto para ser publicado na revista especializada “Remote Sensing of Environment”, revela em dados numéricos a imensidão do Rio Amazonas. Com a ajuda de quatro satélites espaciais, três deles da agência espacial americana e um da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, foi possível calcular a cheia do principal rio da Bacia Amazônica.

foz do Rio Amazonas
Veja a Foz do Amazonas no SatMaps

De acordo com o estudo, e apenas um ano a cheia do Rio Amazonas equivale a 285 trilhões de litros de água. Na prática, daria para encher 114 milhões de piscinas olímpicas.

Apesar de parecer gigantesco, os pesquisadores dizem que esse número é considerado pequeno pois representa apenas 5% do total da vazão do rio, calculada em 209 mil m³/s. Em outras palavras, a água que invade áreas ribeirinhas e deslocam centenas de famílias anualmente é apenas um vigésimo do total de água que corre em seu leito.

Até a divulgação destes dados, o volume de água da cheia do Rio Amazonas era pouco conhecido. Com números mais concretos, os cientistas poderão calcular a diferença de altura do Rio Amazonas na época de cheia e de vazante.

É evidente a importância desse ciclo para a fauna e flora da região, além do Rio constituir a opção de transporte mais viável do Amazonas. A maioria dos outros rios e canais que cortam a região sofre grande alteração pelo assoreamento.

É na Bacia Amazônica que estão os maiores rios brasileiros em vazão. Depois do Rio Amazonas, as maiores vazões são observadas nos Rios Solimões, Madeira, Negro, Japurá, Tapajós, Purus, Xingu, Iça e Juruá.

Levando em conta que os rios da Bacia Amazônica representam a maior reserva de água doce do planeta, a Nasa quer se aprofundar nos estudos futuramente. Um novo satélite está programado para ser lançado em 2020 com o objetivo de registrar toda superfície aquática e o relevo submarino do planeta. A parte da Amazônia é fundamental para calcular quanta água há disponível no planeta Terra.


Legenda: A imagem de satélite mostra a Foz do Rio Amazonas, na Região Norte do Brasil. A Nasa pretende lançar em 10 anos um satélite que irá mapear toda superfície aquática e o relevo submarino do planeta. Crédito: Nasa.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O segredo em negócios é saber alguma coisa que mais ninguém sabe." - Aristóteles Onassis