Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Contrastes na Amazônia: Seca, frio, chuva, queimadas...

Notícia enviada em 05/06/2007
por Daniel Panobianco - Ji Paraná/RO
Em menos de 72 horas a região amazônica apresentou diversos e importantes fenômenos atmosféricos, dignos de grande valia para as pesquisas futuras. Desde a quinta friagem do ano em Rondônia, até o vendaval registrado em Macapá. Segue abaixo alguns registros ocorridos na região.

As últimas horas foram cruciais na Amazônia no que se diz respeito ao comportamento do tempo. A quinta friagem do ano entrou em Rondônia a partir do Cone Sul do Estado, onde Vilhena registrou 14°C logo ao amanhecer. O frio também chegou a outras partes, regiões tipicamente de convívio com o clima árduo amazônico. Segundo a climatologia, a média de friagens na Amazônia é de três a cinco episódios por ano. Portanto, já registramos em menos de dois meses, a média total de friagens. E ainda estamos no começo de junho. O recorde de incursões frias na região foi em 2005, quando foram registradas 14 friagens, de fevereiro a outubro.

Por outro lado, na região centro-norte de Mato Grosso, as queimadas já começam a tomar conta do ar diminuindo a visibilidade e contribuindo para o acúmulo de poluentes em regiões que convivem ano após ano com a poluição. Entre Sinop e Alta Floresta, já foram detectados mais de 30 focos de queimadas em apenas dois dias.

Em Roraima e no norte do Amazonas, a chuva não dá trégua. Em Boa Vista, o volume de chuva registrado só nos últimos dois dias chega a 145,2 mm, com 117,2 mm acumulados entre as 09 horas de sábado e às 09 horas de domingo e mais 28 mm, acumulados entre as 09 horas de domingo e às 09 horas de ontem. Em Caracaraí choveu 126,4 mm, segundo dados do INMET. O nível do rio Branco que corta a capital roraimense está 6 metros acima do nível normal invadindo casas nos pontos mais baixos da cidade.

No Amapá, um violento vendaval levou pânico a população na noite de sábado para domingo. Os ventos chegaram a rajadas de até 130 km/h, segundo a Defesa Civil Estadual. Em Macapá, milhares de casas ficaram destelhadas em uma vasta área da cidade. Na orla, barcos tombaram com a força do vento e árvores foram arrancadas pela raiz. O IEPA (Instituto de Pesquisas Cientificas e Tecnológicas do Estado do Amapá) divulgará uma nota nesta terça-feira informando o que de fato aconteceu na região para tamanho desastre.

Segundo o órgão, o fenômeno teve duração de apenas 3 minutos, mas deixando um rastro de estragos que somam agora mais de 1 milhão de reais, com casas e estabelecimentos públicos destelhados, postes derrubados e duas antenas de telefonia móvel que despencaram no momento da tormenta.

Dados: INMET - CPTEC/INPE - REDEMET - Defesa Civil/Amapá - IEPA

Daniel Panobianco enviou 86 notícias








  ENVIE SUA NOTÍCIA   Edite sua assinatura
  
Cadastre sua assinatura


Título da Notícia


Escreva sua Notícia


Envie uma Foto (opcional)
     Ajuda




Seu Nome

Seu E-mail

Estado



Digite o código ao lado
SEM o primeiro caractere


  


Dicas para um bom texto

1 - Não escreva tudo em maiúsculas ou minúsculas. Use os acentos corretamente.
Use sempre um corretor ortográfico!

2 - Não escreva seu texto com apenas 1 parágrafo: com certeza faltarão informações.

3 - Não escreva textos longos: serão cansativos. Dê brilho à sua notícia. Seja um redator!

4 - Dê preferência às notícias em tempo real, que ocorrem próximos à você, como tremores, fenômenos atmosféricos, astronômicos, óticos e até de condições do trânsito comprometidas por fenômenos naturais.


MUITO IMPORTANTE

1 - Antes de serem publicados, todos os textos serão verificados.

2 - A cópia de material da internet é ilegal.
As notícias ou matérias devem ser escritas pelo próprio internauta.
Fotos enviadas devem ser livres de direitos autorais.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A aventura pode ser louca; mas o aventureiro, para levá-la a cabo, há de ser muito equilibrado" - Chesterton