Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Erupções solares também afeta a aviação comercial

Notícia enviada em 26/10/2013
por Rodolfo Bonafim - São Paulo/SP
Além dos já bem conhecidos efeitos da radiação proveniente de explosões solares sobre linhas de transmissão de energia elétrica e de dados (telecomunicações), bem como satélites artificiais em suas órbitas, e astronautas, estudos levados a cabo por Chris Mertens, pesquisador do Centro de Pesquisas Langley da NASA, apontam que um voo comercial entre Chicago e Beijing na China, um piloto pode estar exposto a uma radiação equivalente a duas radiografias de tórax. Isso multiplicado ao longo de uma carreira na aviação, pode acarretar sérios problemas de saúde, tais como câncer e catarata. Então, até passageiros de certo modo, poderiam se preocupar com isso, pois voar muito alto, sob atmosfera rarefeita, pilotos podem absorver doses consideráveis de raios cósmicos e radiação solar...

Uma vez que voos comerciais internacionais geralmente adotam rotas polares, a fim de se economizar combustível, aí é que ha incrementos na radiação. Portanto, viagens aéreas internacionais por utilizarem rotas polares, são mais afetadas do que rotas domésticas. É claro que há outros fatores a considerar, além da latitude, tais como a altitude do voo, quantidade de manchas solares e atividade solar no pico. Tempestades solares podem aumentar centenas de vezes os níveis de radiação.

Diante desse quadro, a fim de auxiliar as companhias aéreas, com o intuito de proteger pilotos, comissários de bordo e passageiros, a NASA está desenvolvendo uma ferramenta para predição de exposições à radiação em viagens aéreas em tempo real. denominada NAIRAS, abreviatura de ",Nowcast of Atmosphere Ionizing Radiation for Aviation Safety",, ou ",Previsão imediata de radiação ionizante para a segurança da aviação...

Então, num futuro próximo, controladores de voo já poderão ter acesso além da previsão normal das condições de tempo, às condições de voo sobre rotas polares ou não, quanto aos níveis de radiação. Já as companhias aéreas, poderão decidir sobre a relação risco-benefício, se em determinada ocasião, vale arriscar pessoas sobre as ",econômicas", rotas polares em voos internacionais.

Ressalto que a radiação não-ionizante é caracterizada por não possuir energia suficiente para retirar elétrons dos átomos do meio por onde está se deslocando, mas tem o poder de quebrar moléculas e ligações químicas. Exemplos desse tipo de radiação, podemos citar as ondas de rádio, o infravermelho e a luz visível. Lembremos da Física básica que quanto maior a frequência da vibração eletromagnética, maior a energia, portanto, a radiação ionizante é aquela que possui energia suficiente para interagir com os átomos neutros do meio por onde ela se propaga, ou seja, consegue retirar pelo menos um elétron de um dos níveis de energia de um átomo do meio, por onde ela está se deslocando e assim esse átomo deixa de ser neutro e passa a ter uma carga positiva, devido ao fato de que o número de prótons se torna maior que o de elétrons. então o átomo neutro torna-se um íon positivo. Conclusão: é radiação que possui energia suficiente para ionizar átomos e moléculas, sendo que a energia mínima típica da radiação ionizante é de cerca de 10 elétron-volts (unidade de medida de energia, sendo que 1 elétron-volt equivale à energia cinética que um elétron ganha quando é acelerado por uma diferença de potencial de 1 Volt no vácuo. Só para se ter uma idéia da grandeza dessa energia, 1 elétron-volt equivale a cerca de 1,6 x 10 elevado à décima nona potência de joules.

Todo esse poderio energético pode danificar células e afetar o material genético (DNA), causando doenças graves, como câncer. A radiação ultravioleta (excluindo a faixa inicial da radiação ultravioleta) mais energética é ionizante. Partículas como os elétrons e os prótons que possuam altas energias também são ionizantes, no caso, são radiações ionizantes corpusculares, bem como as partículas alfa e as partículas beta (elétrons e pósitrons). Raios gama, raios-x e nêutrons, por fim, completam o rol das radsiações ionizantes, por sinal, muito preocupantes....

Imagem anexada: o modelo NAIRAS prediz exposição de radiação atmosférica a partir dos raios cósmicos galáticos e eventos de partículas energéticas solares. Fonte: NASA.

Rodolfo Bonafim

Diretor Científico da ONG Amigos da Água (Climatologia, Astronomia e Geologia Ambiental)

Rodolfo Bonafim enviou 942 notícias








  ENVIE SUA NOTÍCIA   Edite sua assinatura
  
Cadastre sua assinatura


Título da Notícia


Escreva sua Notícia


Envie uma Foto (opcional)
     Ajuda




Seu Nome

Seu E-mail

Estado



Digite o código ao lado
SEM o primeiro caractere


  


Dicas para um bom texto

1 - Não escreva tudo em maiúsculas ou minúsculas. Use os acentos corretamente.
Use sempre um corretor ortográfico!

2 - Não escreva seu texto com apenas 1 parágrafo: com certeza faltarão informações.

3 - Não escreva textos longos: serão cansativos. Dê brilho à sua notícia. Seja um redator!

4 - Dê preferência às notícias em tempo real, que ocorrem próximos à você, como tremores, fenômenos atmosféricos, astronômicos, óticos e até de condições do trânsito comprometidas por fenômenos naturais.


MUITO IMPORTANTE

1 - Antes de serem publicados, todos os textos serão verificados.

2 - A cópia de material da internet é ilegal.
As notícias ou matérias devem ser escritas pelo próprio internauta.
Fotos enviadas devem ser livres de direitos autorais.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Quando se procura muito o jeito de se fazer temer, sempre se encontra primeiro o de se fazer odiar" - Motesquieu