Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Estiagem Amazônica

Notícia enviada em 22/08/2007
por Daniel Panobianco - Vilhena/RO
A longa estiagem que atinge todo o Estado de Rondônia coloca em risco a tráfego fluvial no rio Madeira entre Porto Velho e Manaus. A situação tende a piorar, pois o período de vazante está apenas na metade.

Mais uma prova do caos do clima em Rondônia neste ano. Embora as previsões dos especialistas locais fossem de neutralidade no período da seca, a imagem de agora do rio Madeira preocupa as autoridades. Segundo a Capitania dos Portos, a média histórica de baixa no Madeira é de 4,72, mas hoje, o mesmo não passa de 3,83 metros e continua diminuindo a cada dia.

Para o delegado fluvial Robson Aberdon, o alerta vale para todos que navegam dentro do canal hidroviário. Segundo ele, nunca foi tão perigoso navegar na hidrovia do Madeira.

O recorde de baixa ainda pertence ao ano de 2005, quando a Amazônia foi castigada pela pior estiagem dos últimos 60 anos. Há dois anos, o nível mínimo do rio chegou a 3,22 metros, apenas 70 cm a menos que a situação de agora.

A Capitania dos Portos faz um alerta e considera a atual situação como “alerta vermelho”, o mais alto grau de periculosidade na navegação em hidrovias. “Acontece que este ano, o período da vazante, o surgimento de bancos de areia é maior e o perigo de embarcações encalharem é muito grande”, comenta o delegado.

Vários incidentes já foram registrados nas últimas semanas no rio Madeira e o alerta prossegue. Na semana passada, uma balsa que saiu do canal de navegação, encalhou próximo a capital de Rondônia. A quantidade de bancos de areia e troncos de árvores presentes no Madeira assusta.

Como ainda estamos no período de vazante, a tendência é de que o nível do rio diminua ainda mais, podendo ficar até abaixo do valor registrado em 2005. A chuva em Rondônia que, ao contrário da previsão dos pesquisadores locais, não caiu em quantidade suficiente, teve um fator mais agravante, pois o período de seca começou quase dois meses antes da normalidade. Os dados do CPTEC/INPE (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos) do (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) vão contra a previsão dos centros de pesquisas locais, que julgam uma neutralidade da estiagem na porção sul-amazônica. A chuva deve demorar a voltar com intensidade esse ano, os volumes esperados, segundo o mesmo instituto, devem ficar ligeiramente abaixo da média climatológica, o que sugere total cautela da população local e mais competência a quem tem o papel de “cuidar” e “monitorar” esta parte do País. Devido à mesma baixa dos rios em Rondônia, muitas cidades já enfrentam racionamento de água potável, situação nunca registrada no Estado. A seca ainda está pela metade.

Dados: CPTEC/INPE – Capitania dos Portos – CAERD

Daniel Panobianco enviou 86 notícias








  ENVIE SUA NOTÍCIA   Edite sua assinatura
  
Cadastre sua assinatura


Título da Notícia


Escreva sua Notícia


Envie uma Foto (opcional)
     Ajuda




Seu Nome

Seu E-mail

Estado



Digite o código ao lado
SEM o primeiro caractere


  


Dicas para um bom texto

1 - Não escreva tudo em maiúsculas ou minúsculas. Use os acentos corretamente.
Use sempre um corretor ortográfico!

2 - Não escreva seu texto com apenas 1 parágrafo: com certeza faltarão informações.

3 - Não escreva textos longos: serão cansativos. Dê brilho à sua notícia. Seja um redator!

4 - Dê preferência às notícias em tempo real, que ocorrem próximos à você, como tremores, fenômenos atmosféricos, astronômicos, óticos e até de condições do trânsito comprometidas por fenômenos naturais.


MUITO IMPORTANTE

1 - Antes de serem publicados, todos os textos serão verificados.

2 - A cópia de material da internet é ilegal.
As notícias ou matérias devem ser escritas pelo próprio internauta.
Fotos enviadas devem ser livres de direitos autorais.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Se tivéssemos de aturar dos outros tanto quanto nos permitimos a nós mesmos, a vida seria insuportável" - Georges Couteline