Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Fulgurito - o raio fossilizado

Notícia enviada em 24/01/2014
por Rodolfo Bonafim - /SP
O raio, descarga elétrica atmosférica, ao atravessar a atmosfera seja ente nuvens, ou entre a nuvem e solo, ou mesmo entre o solo e a nuvem, cria uma onda de choque, expandindo as camadas de ar ao redor,que por sua vez, devido ao elevadíssimo aquecimento, gera um tipo de plasma, semelhante ao encontrado no Sol e nas demais estrelas... Esse plasma é uma espécie de gás altamente ionizado (íon é um tipo de átomo em desequilíbrio, isto é, que ganhou ou perdeu elétrons) e é considerado o quarto estado de agregação da matéria!

Aparentemente, o raio é algo imponderável, quase uma espécie de ",éter", (substância imaginária pensada pelos físicos do século XIX como a matéria que preencheria o espaço vazio entre os planetas do sistema solar e as estrelas da Via-láctea, a nossa galáxia), porém, se ele (o raio) atingir asa areias de uma praia, por exemplo, pode ser como que capturado e assim ",fossilizado", para a posteridade.

Raios podem cair no mesmo lugar mais de duas vezes?

Uma vez que isto não é mito, e sim, a mais pura realidade, inclusive, já foram registrados casos de 32 quedas de raios no mesmo local, nada mais sério do que a queda de raios nas areias das praias, já que praias são lugares descampados, onde a probabilidade de queda de raios é muito elevada!

Portanto, as ",impressões digitais", dos raios na superfície terreste são os fulguritos - minerais originados pela fusão da areia ou de outra rocha pelo calor do raio (lembrando que a temperatura de um raio é aproximadamente 30 mil graus Celsius, cerca de cinco vezes a temperatura da ",superfície do Sol",!!!

Minerais vitrificados

As areias das praias também chamadas de areias quartzosa, têm como principal componente, a sílica, que se funde devido ao calor, obviamente, formando uma estrutura de aspecto vitrificado e tubular. Os fulguritos podem medir desde centímetros até alguns metros de comprimento. São muito frágeis, e normalmente se quebram com o manuseio. Por isso, devem ser manipulados com muito cuidado e logicamente depois de muito tempo após a tempestade de raios, (cerca de 24 horas), pois é preciso muito tempo para ser resfriado e enfim, manipulado!

Port fim, internamente, são ocos e externamente, a areia semi-fundida tem aspecto de aspereza....

",Impressão digital", de um raio??

Na imagem anexa, podemos observar as ramificações do próprio raio e até grosso modo, podemos dizer que os fulguritos são como que ",impressões digitais", dos raios!! A título de curiosidade, fulgurito é um termo oriundo do latim fulgur, que significa raio. O maior fulgurito de que se tem notícia, encontra-se na Flórida, Estados Unidos, e mede quase cinco metros!!

Fonte da imagem:

Rodolfo Bonafim enviou 942 notícias








  ENVIE SUA NOTÍCIA   Edite sua assinatura
  
Cadastre sua assinatura


Título da Notícia


Escreva sua Notícia


Envie uma Foto (opcional)
     Ajuda




Seu Nome

Seu E-mail

Estado



Digite o código ao lado
SEM o primeiro caractere


  


Dicas para um bom texto

1 - Não escreva tudo em maiúsculas ou minúsculas. Use os acentos corretamente.
Use sempre um corretor ortográfico!

2 - Não escreva seu texto com apenas 1 parágrafo: com certeza faltarão informações.

3 - Não escreva textos longos: serão cansativos. Dê brilho à sua notícia. Seja um redator!

4 - Dê preferência às notícias em tempo real, que ocorrem próximos à você, como tremores, fenômenos atmosféricos, astronômicos, óticos e até de condições do trânsito comprometidas por fenômenos naturais.


MUITO IMPORTANTE

1 - Antes de serem publicados, todos os textos serão verificados.

2 - A cópia de material da internet é ilegal.
As notícias ou matérias devem ser escritas pelo próprio internauta.
Fotos enviadas devem ser livres de direitos autorais.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Quando se procura muito o jeito de se fazer temer, sempre se encontra primeiro o de se fazer odiar" - Motesquieu