Espaço, Ciência e Tecnologia. Educação Científica.
Tudo o que acontece na Terra e no espaço
você encontra aqui.
     

Verão finalmente toma forma em Santos e região!!!!

Notícia enviada em 06/02/2012
por Rodolfo Bonafim - São Paulo/SP
A caracterização do clima de uma cidade ou região, pode ser de um modo muito aproximado e generalizado com base no fator continentalidade e/ou maritimidade (análise qualitativa) ou de forma numérica, por meio da temperatura média anual e regime de chuvas anual (análise quantitativa). É por essa razão que alguns autores colocam o clima do litoral brasileiro, desde o Rio Grande do Sul até o nordeste, como clima litorâneo, porque a base de caracterização climatológica nesse caso é o fator maritimidade. Por outro lado, se a base de caracterização for a numérica, teria que se dividir o clima do litoral brasileiro em vários subtipos, desde o Clima Subtropical úmido até o Tropical subúmido, passando por outras “nuances”, como o clima do litoral paulista, que pode ser segundo essa classificação – Subtropical superúmido (litoral sul), Clima Tropical de Transição (Baixada Santista) e Clima Tropical Superúmido (litoral norte).

Se adentrarmos o continente, a influência do mar vai se dissipando e daí o fator de termo-regulação da água do mar tem pouca ou nenhuma influência. È o caso de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul e Cuiabá, capital do Mato Grosso. As distâncias dessas duas capitais é tão grande em relação ao litoral, que mesmo com incursão de massas de ar frio intensas no inverno e consequentemente, as temperaturas mínimas podendo despencar à média dos 5ºC (Campo Grande) e 10ºC (Cuiabá), após a rápida passagem da onda de frio, as temperaturas em menos de dois dias, já podem se “recuperar” e alcançar à média dos 28ºC ou 30ºC. Isto em grande parte deve-se não tão-somente ao fato de que as duas capitais situam-se acima da Linha do Trópico de Capricórnio (Clima Tropical Típico), mas também pelo fator continentalidade, pois da Física Básica, sabemos que a água reage de forma distinta ao calor em relação à terra. Em outras palavras, a grandeza física conhecida por “calor específico” da água é maior do que o da terra. Isto em termos climatológicos, se traduz no seguinte: as águas levam mais tempo para aquecer e também para resfriar, ao contrário das terras. No caso do litoral, uma massa de ar polar pode não derrubar tão intensamente as temperaturas mínimas no inverno, como no interior do continente, no entanto “a recuperação” das temperaturas máximas leva mais tempo do que no interior, pois no litoral, a maritimidade é preponderante, enquanto no interior, a continentalidade é que dá as regras...

Em termos mais práticos e atuais, de acordo com aquilo que venho comentando desde meados de novembro do ano passado (2011), a temperatura superficial das águas marinhas na costa paulista e fluminense tem verificado médias ligeiramente mais baixas do que a média normal climatológica para a época (anomalia negativa). Consequentemente, experimentamos até praticamente o final de janeiro deste ano (2012), um verão de certa forma atípica para o litoral paulista, capital e Grande São Paulo, os focos de minhas pesquisas..., apresentando médias de temperaturas abaixo da normal climatológica (ver matéria do Jornal “A Tribuna” em http://www.atribuna.com.br/noticias.asp?idnoticia=125944&idDepartamento=5&idCategoria=0. Somente a partir do finalzinho de janeiro e início deste fevereiro, é que verifica-se uma constância de temperaturas ao longo dos dias, com média de 33ºC registrada na minha estação da Vila Belmiro em Santos. Ontem, por exemplo, registrei a máxima de 34,4ºC às 14:25 e umidade relativa de apenas 43%, o que é um valor de umidade baixo para a época do ano. Inclusive, no interior do estado paulista, no Vale do Paraíba, cidades como São José dos Campo, Taubaté e Guaratinguetá, tem verificado temperaturas também na casa dos 34ºC e valores de umidade relativa próximas dos 23%, nímeros típicos de ocorrência no inerno, quando as massa cde ar seco dominam, não somente pela variabilidade natural do clima ,mas também pelo fator antrópico, isto é, a degradação ambiental, especialmente gerada pelo crescimento urbano desordenado e não-sustentado. O litoral ,paulista, por exemplo citando Santos, possui uma climatologia muito peculiar. E uma das características marcantes deste microclima é a grande diversidade de tipos de nuvens que “ornam” o céu santista. Por exemplo, tenho verificado nos últimos dias, o nascimento de dias de céu límpido, logo ao nascer do Sol, mas a circulação ou infiltração marítima (termo imortalizado pelo antigo Homem do Tempo, Narciso Vernizzi), tem trazido nuvens baixas, da espécie cúmulos-humilis e alguns estratos-cúmulos (nuvens baixas). E ainda alguns estratos, estas que provocaram alguma formação de névoa. Mas, no decorrer do dia, por volta das 11 horas, visulaiza-se na direção da Serra do Mar, o crescimento de nuvens de médio desenvolvimento vertical, que lembram torres de “algodão” ou couve-flor”, as chamadas cúmulos-congestos, típicas de verão, que podem ou não, de acordo com o teor de umidade nas camadas altas da atmosfera e força do ar em ascenção, devido ao calor (convecção), transformarem-se nas temidas nuvens de grande desenvolvimento vertical, as cúmulos-nimbos, típicas de tempestades elétricas, chuvas pesadas, granizo e até formadoreas em condições especiais, de trombas d´água ou tornados....

Em anexo, envio foto dessas belas cúmulos-congestos que enfeitam os céus do verão...

Rodolfo Bonafim enviou 942 notícias








  ENVIE SUA NOTÍCIA   Edite sua assinatura
  
Cadastre sua assinatura


Título da Notícia


Escreva sua Notícia


Envie uma Foto (opcional)
     Ajuda




Seu Nome

Seu E-mail

Estado



Digite o código ao lado
SEM o primeiro caractere


  


Dicas para um bom texto

1 - Não escreva tudo em maiúsculas ou minúsculas. Use os acentos corretamente.
Use sempre um corretor ortográfico!

2 - Não escreva seu texto com apenas 1 parágrafo: com certeza faltarão informações.

3 - Não escreva textos longos: serão cansativos. Dê brilho à sua notícia. Seja um redator!

4 - Dê preferência às notícias em tempo real, que ocorrem próximos à você, como tremores, fenômenos atmosféricos, astronômicos, óticos e até de condições do trânsito comprometidas por fenômenos naturais.


MUITO IMPORTANTE

1 - Antes de serem publicados, todos os textos serão verificados.

2 - A cópia de material da internet é ilegal.
As notícias ou matérias devem ser escritas pelo próprio internauta.
Fotos enviadas devem ser livres de direitos autorais.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Até os mais estúpidos entendem o que um rico quer dizer, mas nem os mais doutos entendem o que um pobre está dizendo" - Provérbio Chinês