Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 26 fev 2009 - 07h23

Aquecimento Global: 2008 foi o ano mais frio desde 2000

Especialistas em clima do Instituto de Estudos Espaciais Goddard da Nasa (GISS) constataram que o ano de 2008 foi o mais frio no planeta desde 2000. A temperatura média global foi de 14.3°C.

Apesar disso, 2008 ainda foi muito quente na comparação com décadas anteriores. Desde que foram feitas as primeiras medições globais em 1880, os anos mais quentes foram registrados recentemente entre 1997 e 2008.

É preciso uma análise global: Europa, Ásia, o Ártico e a Península Antártica tiveram temperatura excepcionalmente mais quente, enquanto boa parte do Oceano Pacífico teve uma temperatura mais baixa do que a média no longo prazo.

A Organização Meteorológica Mundial explica que a queda da temperatura média em 2008 ocorreu em função do fenômeno La Niña, que resfria as águas do Oceano Pacífico.

Depois da La Niña acontece o El Niño, fenômeno oposto que aquece as águas do Pacífico. "Dada a nossa expectativa de que agora o próximo El Niño vai começar este ano ou em 2010, parece provável que um novo recorde na temperatura global do ar será estabelecido nos próximos um ou dois anos, apesar do efeito resfriador moderado de uma irradiação solar mais reduzida", disse James Hansen do GISS.

"Atualmente, o Sol está passando por um ponto de menor irradiação em seu ciclo de atividade eletromagnética, que ocorre a cada 10 ou 12 anos".

Todos esses fatores acabam influenciando a média das temperaturas. Na linha do tempo, o ano 2008 foi o nono mais quente dos últimos 128 anos.

Arte: Gráfico mostra a anomalia das temperaturas globais ao longo dos anos. Especialistas constataram que o ano de 2008 foi o mais frio no planeta desde 2000, mas ainda muito quente na comparação com décadas anteriores. Crédito: Nasa.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire