Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Segunda-feira, 5 fev 2007 - 09h47

Aquecimento global: conheça outro mecanismo responsável pelo fenômeno

Devido ao fato dos gases da atmosfera espalharem o comprimento de luz azul melhor do que os outros comprimentos de onda, a aparência do limbo terrestre se mostra azulada.

Conforme a altitude cresce, a atmosfera se torna tão tênue que praticamente deixa de existir, fundindo-se no negro do espaço. Nesta imagem, captada pelos astronautas da ISS em julho de 2006, vemos claramente o efeito visual deste fenômeno. Observe que atmosfera impede a visão completa da lua, que parece emergir do limbo azul da Terra.

Tecnicamente, não existe uma divisão absoluta entre a atmosfera terrestre e o espaço, mas para os cientistas que estudam o balanço da energia que entra e sai de nosso planeta, convencionou-se que o topo da atmosfera se localiza a 100 km de altitude.

O topo da atmosfera é a região inferior da usina de força que permite a vida na Terra. É ali onde a energia do Sol, a maior parte composta de luz visível, entra no sistema terrestre. É também por esta região que a luz visível, refletida pela superfície do planeta e as ondas de calor, produzidas pelo aquecimento da superfície, deixam a Terra. O balanço entre a energia que entra e sai pelo topo da atmosfera é que determina a média da temperatura global. Esse mecanismo é conhecido como efeito estufa.

A habilidade dos gases componentes do Efeito Estufa presentes nesta região determinam a quantidade de energia térmica que deixa a Terra e é o fator chave do fenômeno conhecido como Aquecimento Global. No entanto, os gases do efeito estufa não são os únicos responsáveis na infuência do equilíbrio da energia que entra e sai do planeta. O

  • albedo
  • , porcentagem entre a luz solar que atinge o planeta e o quanto este reflete de volta para o espaço, é outro fator determinante no clima da Terra, uma vez que a energia refletida para o espaço não retorna para aquecer o planeta.

    A cobertura de nuvens, a quantidade de gelo e a neve têm enorme influência em quanto a Terra é refletiva. Quando qualquer um desses fatores muda, altera-se também o albedo terrestre e consequentemente a energia enviada de volta para o espaço.

    Por serem o gelo e a neve extremamente reflectivos, os pesquisadores acreditam que o crescente derretimento de material nas regiões polares deverá acelerar ainda mais o o aquecimento global, já que sua redução diminuirá também o albedo terrestre.


    Efeito Estufa
    Durante o dia, uma parte da energia irradiada pelo Sol é captada e absorvida pela superfície da Terra, enquanto outra parte é irradiada de volta para a atmosfera. De uma forma natural, os gases que existem na atmosfera funcionam como uma espécie de capa protetora que impede que o calor se disperse totalmente para o espaço exterior. Isso evita que durante a noite o calor se perca, mantendo o planeta aquecido durante a ausência do Sol.

    Todo o processe que cria o efeito estufa é natural. Caso não existisse, a temperatura da superfície seria cerca de 34 graus mais baixa, praticamente impedindo a vida na Terra.

    Alguns gases, como o CO2 (dióxido de Carbono) criam uma espécie barreira, exatamente igual a uma estufa, daí o nome do efeito. Essa barreira deixa passar livremente os raios solares mas impede que o calor saia.

    Pelo exposto, é fácil concluir que um aumento no nível de CO2 na atmosfera aumentará a quantidade de calor aprisionado. Esse aumento de temperatura pelo efeito estufa é a causa primária do fenômeno do aquecimento global.

    Como se vê, o Efeito Estufa gerado naturalmente pela natureza é fundamental para a vida na Terra. No entanto, se a composição dos gases for alterada, para mais ou para menos, o equilíbrio térmico da Terra também sofrerá mudanças.

    O CO2 é responsável por cerca de 64% do efeito estufa e é formado pela queima incompleta dos combustíveis fósseis, entre eles o petróleo, gás natural, carvão e a desflorestação.

    Foto: Terra é azul. Devido ao fato dos gases da atmosfera espalharem o comprimento de luz azul melhor do que os outros comprimentos de onda, a aparência do limbo terrestre se mostra azulada.

    Imagem feita no dia 20 de julho de 2006 pela tripulação da ISS, Estação Espacial Internacional. A cena foi captada com uma câmera digital Kodak 760C equipada com teleobjeticva de 400 milímetros. Crédito: NASA/JSC Gateway to Astronaut Photography of Earth. Clique sobre a imagem para ampliá-la.







    Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "O orçamento é uma conta que se faz para saber como aplicar o dinheiro que já se gastou" - Barão de Itararé