Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 3 dez 2009 - 09h17

Buraco na camada de ozônio protege Antártida contra aquecimento

Até agora, o continente antártico é a região do planeta que menos tem sofrido com os efeitos do aquecimento global. E apesar de parecer estranho, o perverso buraco na camada de ozônio que tanto preocupa é um dos principais responsáveis por essa situação, agindo como uma espécie de blindagem contra o aquecimento.


Clique para ampliar

Segundo um relatório divulgado nesta terça-feira (1/12/2009) pelo Comitê Científico de Pesquisa Antártica, SCAR, o buraco na camada de ozônio continua regredindo e até o final do século estará praticamente fechado, fazendo com que a temperatura no continente gelado finalmente reflita os efeitos do aquecimento do planeta.

Em entrevista à agência de notícias Reuters, o diretor-executivo do Scar, Colin Summerhayes, confirmou a informação. "Atualmente o gelo está aumentando, mas não será mais assim quando o buraco de ozônio fechar. Lentamente o gelo vai derreter e de acordo com os modelos atuais vamos perder até um terço da massa de gelo naquela região".


Blindagem
Para concluir sobre a importância do papel do buraco na camada de ozônio sobre o aquecimento na Antártida, o Scar reuniu informações produzidas por mais de cem cientistas em oito países e classificou a descoberta da blindagem como "extraordinária".

O mecanismo que torna que cria essa blindagem é simples de compreender.

Os raios ultravioletas do Sol são absorvidos pelas moléculas de ozônio presentes na estratosfera, ajudando a esquentá-la. No entanto, com menos ozônio presente devido ao buraco na camada, essa região da atmosfera esfria. Isso ajuda a fortalecer o vórtice polar antártico, um gigantesco redemoinho de vento que controla a circulação atmosférica sobre o continente, mantendo a Antártida menos aquecida.

Segundo o glaciologista Jefferson Simões, ligado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a intensidade desse vórtice depende basicamente da diferença de temperatura entre a região polar e o resto do planeta. “Com o vórtice mais frio essa diferença aumenta, fazendo com que ele gire com mais intensidade", disse Simões em entrevista concedida à Folha de São Paulo.

Como resultado, esse intenso vento cria uma muralha de ar entre a Antártida e os outros continentes, explicando o menor aquecimento verificado no continente gelado.


Nível do Mar
Com o encolhimento do buraco e consequente aumento da temperatura, os cientistas acreditam que a Antártida passe a perder massa gelada, em especial em sua parte oeste. De acordo com o relatório, essa perda de gela resultaria em aumento do nível do mar em até 1.4 metro até 2100.

No entanto, a elevação da temperatura projetada até o final do século é de 3 graus, insuficiente para que a maior parte do gelo continental desapareça.


Arte: Gráfico comparativo mostra o buraco na camada de ozônio (visto em roxo), em dois momentos diferentes. À esquerda, em 1979 e à direita, em 2009. Crédito: Nasa.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Um tolo com instrução é um tolo maior que um com falta dela." - Benjamim Franklin