Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 29 mar 2007 - 09h46

Cientista desenvolve pílula antiarroto para diminuir efeito estufa

Há alguns meses atrás, o Apolo11 publicou uma matéria onde a FAO, Organização das Nações Unidas para a Agricultura e alimentação, situado em Roma, confirmava que o setor pecuarista é atualmente um dos principais responsáveis pela amplificação do Efeito Estufa.

De acordo com o relatório, o setor é o que produz mais gases componentes do efeito, e se comparados a seu equivalente em CO2 (dióxido de carbono), são mais elevados que os produzidos no setor de transportes. O metano, por exemplo, produzido pelo arrôto das vacas, é 23 vezes mais nocivo ao ambiente que o CO2. Considerando-se que uma vaca pode produzir até 500 litros de metano em apenas 1 dia, não é difícil estimar os danos ambientais produzido por 150 milhões de cabeças de gado somente no Brasil.

Mas se depender do cientista Winfried Dockner, da Universidade de Hohenhein, da Alemanha, essa situação pode estar com os dias contados. Dockner apresentou ontem a primeira pílula antiarroto para vacas.

Citando relatório da FAO, o cientista confirmou que o arroto dos ruminantes já respondem por 4% das emissões de metano do planeta e como o consumo de carne está crescendo, a tendência do aumento das emissões seria inevitável. Como esse desenvolvimento não pode ser freado, era necessário que alguma providência fosse tomada.

A solução criada por Dockner tem o tamanho de uma laranja e foi batizada de Bolus, uma superpílula composta de elementos microbióticos que durante muitos meses se desenvolvem no interior do estômago das vacas, ajudando na digestão.

Segundo Dockner, que também é especialista em nutrição animal, para fazer o efeito desejado, a pílula deverá ser usada em conjunto com uma dieta mais rica em gorduras.

O cientista explica que um animal que mastiga e digere continuamente tem melhor aproveitamento das substâncias, e compara com o ser humano: mais refeições espalhadas ao longo do dia são significantemente mais saudáveis ao organismo.

O metano produzido pelas vacas é formado pela combinação de moléculas de água com dióxido de carbono. Com a técnica desenvolvida por Dockner, ao invés do metano ser expelido, ele seria usado pelo organismo para a produção de glicose. Isso faria as vacas produzirem mais leite, o que além de benéfico para o meio ambiente, seria também economicamente interessante.

Dockner acredita que o nível de metano seria reduzido de 4% para até 2%, mas ainda não obteve patrocinadores interessados em sua idéia.

Leia Também:
Relatório da FAO afirma que pecuária é responsável por aquecimento global

Gráfico: Composição dos gases componentes do efeito estufa. Observe que o metano corresponde a 15% do total dos gases. De acordo com o relatório, 4% é produzido pelas atividades pecuárias.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A política é quase tão excitante quanto a guerra, e não menos perigosa. Na guerra só podemos morrer uma vez - na política várias" - Winston Churchill