Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 25 mai 2006 - 06h38

Cientistas afirmam que buraco na camada de ozônio deve desaparecer em 50 anos

Cientistas japoneses divulgaram na última terça-feira que o buraco na camada de ozônio sobre a Antártida continua se contraindo e poderá desaparecer totalmente até 2050. O motivo, segundo os cientistas é a redução da emissão de CFC - clorofluorcarbonos e outros gases que atacam o ozônio na atmosfera.

A descoberta é o resultado de uma série de simulações feitas em supercomputadores, conduzidas por Eiji Akiyoshi, do Instituto Nacional de Estudos Ambientais, localizado em Tóquio.

Segundo Akiyoshi, atualmente o buraco está em seu pico máximo de tamanho, mas deverá a se contrair gradativamente até 2020 e fechar-se completamente em 2050. Outros cientistas, em diversos institutos mundiais, também já especulavam sobre essa possibilidade, demonstrada por Eiji.

No entanto, outras pesquisas indicam que o buraco sobre a antártida não se fechará tão cedo, já que milhões de aparelhos antigos de refrigeradores e ar condicionado ainda funcionam e liberam substâncias destrutivas da camada. Nos EUA e Canadá aparelhos novos são proibidos de serem fabricados com essas substâncias.


Leia Também:

  • Meio Ambiente
  • Mudanças Climáticas
  • Energias Alternativas
  • Invenções e Descobertas
  • Arqueologia
  • Curiosidades
  • Terremotos on-line
  • Terremotos
  • Aventuras
  • O Brasil no espaço
  • Ônibus Espacial Discovery
  • Matérias sobre a ISS
  • Rastreie a ISS
  • Conheça os planetas
  • Sobre o telescópio Hubble
  • Tecnologia e exploração espacial
  • Brasil no Espaco
  • Sonda Stardust
  • Exploração Plutão
  • Exploração a Saturno
  • Exploração a Marte
  • Exploração a Júpiter
  • Notícias em Destaque






  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "Anarquismo é a única filosofia que leva o homem ao conhecimento de si mesmo" - Emma Goldman