Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 5 nov 2009 - 11h20

Neve no topo do Kilimanjaro poderá desaparecer em 20 anos

A neve do Kilimanjaro, que inspirou até o sucesso do cinema em 1952, pode desaparecer por completo em 20 anos. Um recente estudo sobre os efeitos do aquecimento global no monte mais alto da África será publicado este mês pela revista especializada Proceedings of the National Academy of Science.

O monte Kilimanjaro tem 5,8 mil metros e o derretimento do gelo em seu topo dá sinais evidentes desde 1993. Imagens de satélite captadas pela agência espacial americana (Nasa) mostram as mudanças climáticas que ocorreram nos últimos anos.

De acordo com os especialistas da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, temperaturas mais elevadas associadas às condições de seca e menor nebulosidade, estariam contribuindo para o derretimento acelerado da neve no alto do Kilimanjaro. A área total coberta pelo gelo encolheu cerca de 85% entre 1912 e 2007.

As projeções mais pessimistas indicam um desaparecimento total do gelo em 2022, ou na melhor hipótese, em 2033.

Os autores do estudo destacam que embora a neve do Kilimanjaro tenha sobrevivido por 11.700 anos, incluindo períodos de secas e outras alterações climáticas, a situação agora parece ter se agravado.

O desaparecimento do gelo na montanha poderá ter no futuro, um significativo impacto na vida das comunidades locais na África.

Foto: Imagens capturadas com intervalo de 7 anos pelos satélites Landsat-7 e Landsat-5 mostram o retrocesso do gelo no topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia. Crédito:Jim Williams/NASA/GSFC Scientific Visualization Studio/Landsat 7 Science Team.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"As leis não são feitas para o homem bom" - Sócrates