Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Terça-feira, 15 dez 2009 - 12h41

Problemas a vista: depósitos de carbono negro ameaçam o Himalaia

Enquanto os olhos do mundo estão voltados para a Conferência do Clima, em Copenhague, uma nova pesquisa feita por cientistas da Nasa e da Academia de Ciências da China mostrou que os depósitos de fuligem sobre as geleiras tibetanas contribuíram significativamente para o encolhimento da maior massa de gelo não-polar existente no planeta.


Clique para ampliar

Conhecida como carbono elementar ou carbono negro, a fuligem absorve grande parte da radiação solar e segundo o estudo tem a capacidade de acelerar o derretimento glacial quando acumulada em grandes quantidades sobre as geleiras..

De acordo com o trabalho publicado pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, as temperaturas no planalto tibetano, também chamado de "Terceiro Pólo", aumentaram cerca de 0.3 °C por década nos últimos 30 anos, valor duas vezes superior à taxa observada para todo o planeta no mesmo período. As novas pesquisas sugerem que o aquecimento provocado pela fuligem nas geleiras do Tibete rivalizam com os efeitos dos gases responsáveis pelo efeito estufa.

"As geleiras do Tibete estão recuando em um ritmo alarmante", disse James Hansen, coautor do estudo e diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS), em Nova York. "O carbono negro é provavelmente responsável pela metade do derretimento glacial, enquanto os gases do efeito estufa são responsáveis pelo resto".

"Durante os últimos 20 anos, a concentração de carbono negro aumentou entre duas a três vezes em relação à concentração medida em 1975", disse Junji Cao, pesquisador da Academia Chinesa de Ciências em Pequim, e colega de Hansen no estudo. De acordo com Cao, algumas geleiras estão recuando tão rapidamente que podem desaparecerem por completo até a metade do século se as tendências atuais continuarem.


Importância
A água proveniente do derretimento das geleiras tibetanas é a responsável direta pelo abastecimento dos grandes rios asiáticos, incluindo o Indus, Ganges, Amarelo e Brahmaputra e a perda constante da massa de gelo teria um impacto profundo sobre mais de um bilhão de pessoas que dependem da água doce desses rios.

Ainda que a chuva e a neve ajudem a repor a água dos rios, a ausência das geleiras poderia prejudicar os esforços em gerir os recursos sazonais, alterando o manejo dos suprimentos de água doce em áreas propensas à escassez.


Combustível Fóssil
A maior parte da fuligem que atinge a região provém da combustão de motores a diesel, queima de carvão, geração de energia e fogões de cozinha.

Diversos processos industriais produzem carbono negro e carbono orgânico, mas em diferentes proporções. A queima
de óleo diesel produz principalmente o carbono negros, enquanto a queima de lenha produz principalmente o carbono orgânico. Uma vez que o carbono negro é escuro e absorve mais radiação, acredita-se que este desempenhe um papel nocivo mais importante na taxa de aquecimento verificada.

Segundo Hansen, a redução das emissões de fuligem preta e dos gases de efeito estufa é fundamental para evitar o encolhimento das geleira e manter a correta sazonalidade no fornecimento de água fresca, da qual dependem milhões de pessoas ao longo dos rios.


Foto: No topo, modelo computacional criado com base em dados de satélites mostra a espessura da camada de carbono sobre a Ásia. Na cena, quanto mais escura imagem, maior a concentração de fuligem. Na sequência, pesquisadores caminham sobre o platô tibetano em busca de dados sobre a concentração de fuligem. Crédito: NASA/Modis Rapid Response Team/Gregory Shirah/Academia de Ciências da China/WWW.APOLO11.COM.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard