Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Quinta-feira, 15 ago 2019 - 13h09
Por Maria Clara Machado

Mergulhando em uma nuvem de fogo

A imagem é bucólica, lembra até uma pintura, mas é resultado de mais um grande incêndio florestal e de uma extensa coluna de fumaça que conseguiu chegar à estratosfera. Os cientistas chamam essa nuvem tecnicamente de pirocumulonimbus (pyroCB). Conhecida como uma espécie de nuvem de fogo, muito densa, que pode causar relâmpagos, trovões e tempestades.

Nuvem pirocumulonimbus fotografada a 9 quilômetros de altitude. Crédito: Earthobservatory/NASA.
Nuvem pirocumulonimbus fotografada a 9 quilômetros de altitude. Crédito: Earthobservatory/NASA.

O calor do fogo de um incêndio em grande proporção e a umidade presente na atmosfera consegue produzir este tipo de nuvem a 15 quilômetros de altitude.

A NASA conseguiu capturar uma imagem extremamente rara de uma pirocumulonimbus na última semana. O voador DC-8 da agência espacial norte-americana passou diretamente através da nuvem no dia 8 de agosto, durante um grande incêndio que acontecia naquele momento no leste de Washington.

Imagem do Observatório da Terra da NASA, de Joshua Stevens, usando dados do Landsat do Serviço Geológico dos EUA. Fotografias de David Peterson (Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA).
Imagem do Observatório da Terra da NASA, de Joshua Stevens, usando dados do Landsat do Serviço Geológico dos EUA. Fotografias de David Peterson (Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA).

Preocupação
O voo fazia parte de uma campanha conjunta entre a NASA e NOAA, a FIREX-AQ, que está estudando a composição e a química da fumaça para entender melhor o impacto na qualidade do ar e no clima.

David Peterson, chefe de análise do FIREX-AQ, afirmou que as imagens são deslumbrantes e poucas fotografias de grandes pyroCB estão disponíveis, principalmente a partir do ar. Segundo Peterson, as pirocumulonimbus são como grandes chaminés transportando uma grande quantidade de fumaça para a baixa estratosfera.

Na primeira foto, tirada a 9 quilômetros de altura, o pôr do sol aparece em meio a fumaça muito densa. Outra foto mostra a pluma de fumaça cinza alimentando a grande nuvem.

Nuvem pirocumulonimbus fotografada no dia 8 de agosto de 2019, a partir de um grande incêndio no leste de Washington. Crédito: Earthobservatory/NASA.
Nuvem pirocumulonimbus fotografada no dia 8 de agosto de 2019, a partir de um grande incêndio no leste de Washington. Crédito: Earthobservatory/NASA.

Quando a fumaça atinge a estratosfera, ela acaba se espalhando globalmente e vai permanecer na alta atmosfera por meses ou até anos, por isso a grande preocupação com o fenômeno. Um estudo recente concluiu que as maiores nuvens de fogo podem elevar a quantidade de fumaça e partículas na baixa estratosfera, comparável a uma erupção vulcânica.







Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Até os mais estúpidos entendem o que um rico quer dizer, mas nem os mais doutos entendem o que um pobre está dizendo" - Provérbio Chinês