Quinta-feira, 21 set 2006 - 09h31

Após 12 dias, nave Atlantis pousa em segurança em Cabo Kennedy

Pilotado pelo camandante Brent Jett, o ônibus espacial Atlantis pousou exatamente às 07h21, em Cabo Kennedy, na Flórida, completando com sucesso a Missão STS-115. O pouso se deu exatamente às 07h21, pelo horário de Brasília, e foi o 21º pouso de um ônibus espacial durante a noite. Na Flórida ainda era 06h21 e o Sol ainda não tinha nascido.

Às 06h14, o comandante Brent Jett, auxiliado pelo piloto Chris Ferguson, deram início ao processo conhecido como "de-orbital", quando os computadores de bordo acionam os retrofoguestes que diminuem a velocidade da nave. Perdendo velocidade, a nave tende a perder altura, necessário à reentrada na atmosfera.

Saiba o que ocorre durante a reentrada

Trazido de volta à Terra pela força da gravidade (sem propulsão), a Atlantis chegou à pista de Cabo Kennedy em uma trajetória perfeitamente conhecida. Ao tocar a pista, a nave desenvolvia velocidade de 400 km/h. Alguns segundos depois um pequeno pára-quedas auxiliou a frenagem do engenho.

A Atlantis foi lançado no dia 9 de setembro e se acoplou à Estação Espacial Internacional, ISS, no dia 11. A equipe, formado por seis especialistas, realizou três atividades extraveiculares (EVA). O objetivo da missão STS-115 foi o de montar um novo painel solar, capaz de dobrar a capacidade elétrica da estação.

Ao todo, a Atlantis levou à ISS mais de 17500 quilos de material.

o Apolo11 retransmitiu ao vivo toda a operação de reentrada e descida da nave Atlantis.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Existem velas que iluminam tudo, menos o próprio candelabro" - Hebbel