Quarta-feira, 7 set 2005 - 06h39

Cientistas já admitem elo entre aquecimento e furacões. Brasil pode ter sucessão de ciclones

A maioria dos especialistas em furacões e ciclones continua cética em relação a uma possível ligação entre aquecimento global e o maior poder destrutivo de fenômenos como o Katrina. Mas um artigo publicado recentemente na Nature mostra que esta visão está começando a mudar.

O estudo conclui que a força destrutiva dos furacões e ciclones aumentou em 50% ao longo dos últimos 50 anos, e que uma elevação na temperatura - relacionada ao aquecimento global - está na causa desta mudança, pelo menos parcialmente.

"Eu era um daqueles céticos, até o ano passado", confessa o meteorologista Kerry Emanuel, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), autor do estudo.

Depois de analisar dados coletados por aviões de pesquisa sobre ciclones no Pacífico e furacões no Atlântico, Emanuel passou a considerar uma tendência de elevação na velocidade dos ventos e na duração das tempestades.

"Estamos começando a pensar seriamente se não há um sinal (de aquecimento global) nisso, e acho que vamos ter de pensar muito mais neste tema nos próximos anos", disse ele.


Previsões
No Atlântico, dos últimos 11 anos, 9 tiveram temporadas de furacões mais intensas do que o considerado normal, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (Noaa). Em agosto, a Noaa elevou as suas já altas previsões de tempestades tropicais para este ano: devem ser 21, e não 18, das quais 11 devem se converter em furacões. Destes, 5 a 7 serão dos mais fortes.

Se confirmadas as previsões, 2005 será um dos anos mais violentos em termos de furacões em toda a história. Uma temporada típica no Atlântico tem seis furacões.

Entretanto, a agência não liga este agravamento dos furacões ao aquecimento global. Seus técnicos acreditam que o mais provável é se tratar de uma confluência natural de condições oceânicas e atmosféricas cíclicas. Isso produziria tempestades tropicais mais fortes a cada 20 a 30 anos.

Se mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global têm algo a ver com os furacões mais fortes, isso teria um peso muito pequeno, segundo os especialistas da Noaa.


Cone Sul
Para Michel Jarraud, secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), "parece que, sim, há incidência da mudança climática na intensidade dos furacões, devido ao aquecimento global". E ele adverte para um aumento da intensidade dos furacões e da freqüência dos ciclones extratropicais em áreas temperadas, como o Cone Sul.

Em reunião científica de meteorologistas em Montevidéu, nesta semana, ele ressalvou que os dados sobre essa influência ainda não são conclusivos, mas espera "obter confirmações nos próximos anos."

O brasileiro Divino Moura, afirmou no encontro que existem estudos indicativos, "muito preliminares", de que Brasil, Argentina e Uruguai podem ter "uma sucessão de ciclones extratropicais".


Clique aqui para informações sobre o furacão Katrina e a temporada de furacões de 2005

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"O homem tem de estabelecer um final para a guerra, senão a guerra irá estabelecer um final para a humanidade" - John Kennedy