Procure no Apolo11
Quarta-feira, 17 ago 2022 - 10h18
Por Rogério Leite

Esteira de vento solar de alta velocidade pode atingir a Terra nas próximas horas

Uma possível tempestade geomagnética deve ocorrer na Terra entre 17 e 19 de agosto devido ao impacto de grande quantidade de partículas solares ejetadas a partir de um buraco coronal que está faceado na direção do nosso planeta.

Imagem do Sol registrada pelo telescópio espacial SDO em 17 de agosto de 2022 mostra a dimensão do buraco solar faceado em direção à Terra.
Imagem do Sol registrada pelo telescópio espacial SDO em 17 de agosto de 2022 mostra a dimensão do buraco solar faceado em direção à Terra.

De acordo com o Centro de Previsão de Clima Espacial (SWPC) dos EUA, tormentas geomagnéticas deverão atingir o nível G3, considerado forte já nesta quinta-feira, 18 de agosto, devido à chegada de múltiplas ejeções de massa coronal (EMC) que partiram do Sol em quatro dias antes.

Apesar das inúmeras ejeções, espera-se que a maioria tenha pouco ou nenhum impacto em nosso planeta, mas pelo menos quatro delas têm potenciais componentes direcionados à Terra. A mais recente ejeção ocorreu na complexa Região Ativa AR3078, às 04h58 BRT de 16 de agosto, mas a primeira explosão desta série ocorreu no dia 14.

De acordo com o órgão de monitoramento, os modelos matemáticos indicam a chegada combinada de algumas dessas ejeções na Terra ou nas proximidades a partir de 18 de agosto, mas a maior parte do material ejetado do Sol deve passar à frente ou ao sul da órbita da Terra.

É importante salientar que os impactos de uma tempestade de nível G3 em nossa tecnologia geralmente são mínimos, mas tem o potencial de causar interferências em equipamentos eletrônicos mais sensíveis e provocar auroras polares em latitudes menores que as habituais, tais como partes da Pensilvânia, Iowa e até ao norte do Oregon.


O que são Buracos Coronais
Os buracos coronais são regiões da coroa solar onde a densidade do plasma (gás aquecido a milhares de graus) é menor que nas áreas adjacentes. Nos buracos, as linhas do campo magnético são unipolares e abertas e não conseguem manter o plasma aprisionado, que escapa em direção ao espaço em altíssima velocidade. Isso aumenta a pressão do vento solar.

Quando as áreas onde se localizam os buracos coronais estão voltadas para a Terra, verifica-se um aumento na atividade geomagnética causada pelo impacto mais intenso das partículas do vento solar na ionosfera. Isso faz o índice KP que mede a instabilidade nesta região se elevar, configurando um quadro conhecido como tempestade geomagnética.

Algumas vezes, o buraco coronal ejeta o plasma de forma súbita, criando uma onda de choque dentro do fluxo contínuo do vento solar. Essa onda de choque, quando atinge a Terra, pode fazer a tormenta se prolongar por diversas horas e com intensidade bem acima do normal.


Acompanhe o Índice KP
O Índice KP é um excelente indicador da intensidade das tempestades geomagnéticas e é usado pelo SWPC para decidir sobre a emissão de alertas e avisos da chegada das tempestades solares. Você pode acompanhar o índice KP e também outras variáveis do clima solar em nossa página sobre a atividade solar. Basta ir em https://www.apolo11.com/atividade_solar

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2022

"As composições de Bach são desprovidas de beleza, harmonia e claridade melódica" - Johann Adolf Scheibre - crítico musical em 1773 -