Terça-feira, 15 abr 2008 - 18h53

Lixo espacial: ESA estima que 6 mil satélites estão em órbita terrestre

Imagens impressionantes do lixo espacial em órbita em volta da Terra foram divulgadas pela Agência Espacial Européia, a ESA, nesta terça-feira.

Entre o primeiro lançamento de um satélite artificial, o Sputnik, lançado pelos soviéticos em 1957, até janeiro deste ano, são 6 mil satélites que foram enviados a órbita terrestre. Hoje apenas 800 estariam ativos e todo resto estaria desativado e perdido no espaço.

As fotos divulgadas pela ESA mostram fragmentos de aeronaves espaciais que se quebraram, explodiram ou foram abandonados. De acordo com a agência metade dos objetos que podem ser rastreados são derivados de explosões ou colisões na órbita terrestre.

O número é tão surpreendente que os pesquisadores americanos Donald Kessler e Philip Anz-Meador, que estudam o lixo espacial, afirmam que em vinte anos, poderá não ser mais possível realizar operações em órbitas mais próximas da Terra.

Durante a Guerra Fria, o espaço se tornou um terreno de competição entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética. O ápice aconteceu com a chegada à Lua pelos norte-americanos na década de 60. Mais tarde, os lançamentos russos diminuíram e simultaneamente outros países inauguraram seus programas espaciais.

Uma estimativa da ESA indica que cerca de 200 novos objetos são lançados todos os anos ao espaço.

Foto: Composição divulgada pela Agência Européia mostra a enorme quantidade de lixo espacial em órbita da Terra. Crédito: Esa.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Quem não compreende um olhar, tampouco há de compreender uma longa explicação" - Provérbio Arabe