Procure no Apolo11
Terça-feira, 31 mai 2022 - 09h33
Por Rogério Leite

Satélite Landsat 8 registra assinatura térmica na cratera do vulcão Manam

A ilha de Manam, na costa nordeste de Papua Nova Guiné, é um dos vulcões mais ativos do Pacífico Sul. Recentemente, órgãos de monitoramento locais emitiram diversos alertas de atividade vulcânica ao mesmo tempo em que a assinatura infravermelha típica da lava era detectada no fundo da cratera pelo satélite Landsat 8.

Vulcão Manan, registrado pelo satélite Landsat em 22 de maio de 2022. No centro, a típica assinatura térmica indicativa da presença de lava. Ao redor, vemos três dos quatro vales formados por lavas de erupções passadas. Crédito: Landsat.
Vulcão Manan, registrado pelo satélite Landsat em 22 de maio de 2022. No centro, a típica assinatura térmica indicativa da presença de lava. Ao redor, vemos três dos quatro vales formados por lavas de erupções passadas. Crédito: Landsat.

Entre 17 e 19 de maio de 2022, o Centro Consultivo de Cinzas Vulcânicas de Darwin, na Austrália, emitiu alertas aeronáuticos internacionais, dando conta de que as plumas de cinzas vulcânicas ejetadas pelo Manan estavam atingindo mais de 2.4 km de altura.

Alguns dias depois, em 22 de maio de 2022, o instrumento OLI (Operational Land Imager) a bordo do satélite de sensoriamento remoto Landsat 8 observou a típica assinatura infravermelha, indicando a presença de calor gerado por lava na cratera do cume sul de Manam. Essa cratera tem sido historicamente a mais ativa das duas crateras do cume, de acordo com o Centro Smithsoniano de Vulcanismo Global.

Manam é um estratovulcão, um tipo de vulcão conhecido por erupções explosivas que criam cones íngremes que dão a típica aparência aos vulcões. Desde 1616, frequentes erupções explosivas leves a moderadas foram registradas na montanha, geralmente seguidas pela produção de plumas de cinzas. Entretanto, erupções maiores ocasionais mais poderosas produziram lava e fluxos piroclásticos que chegaram à costa.


Estrondos ouvidos no Continente
Em outubro de 2021, uma forte erupção emitiu uma pluma incandescente e ejetou nuvem de cinzas a uma altura estimada em 15,2 quilômetros. Erupções intermitentes de cinzas continuaram entre o final de 2021 e começo de 2022. Em março de 2022, cientistas ligados ao Observatório Vulcanológico Rabaul relataram um pequeno fluxo piroclástico descendo o flanco de Manam. Segundo os pesquisadores, essa erupção foi acompanhada por intensas emissões de cinzas e seus rugidos altos e estrondos puderam ser ouvidos até no continente.


Quatro Vales Vulcânicos
Quatro vales irradiam a partir do pico cônico do estratovulcão Manan, que se eleva a mais de 1800 metros acima do nível do mar. Três desses vales, chamados pelos nativos de vales de avalanche são visíveis na imagem registrada pelo Landsat.

Com o tempo, esses vales criaram uma espécie de canalização para muitos dos fluxos piroclásticos e de lava gerados em erupções passadas, alguns deles penetrando no mar. No entanto, algumas erupções mais intensas transbordaram por cima dos vales e chegaram à áreas povoadas situadas nos flancos inferiores do vulcão.

Em 2004, a maioria dos 9 mil moradores de Manam precisou ser evacuada durante uma grande erupção, mas desde então muitas pessoas retornaram às suas casas. Em 2005, uma possante erupção produziu enviou uma grande nuvem de dióxido de enxofre em direção ao oeste, atingindo a ilha da Nova Guiné.


Vulcanismo e Tsunami
Papua Nova Guiné é o lar de 14 vulcões ativos e 22 adormecidos que representam um risco para cerca de 250 mil pessoas que vivem nas imediações. Desses vulcões, Manam é um dos seis que os cientistas classificaram como de alto risco e identificada como um dos vários vulcões onde uma erupção ou colapso de flanco poderia produzir um grande tsunami.

A região do sudoeste do Pacífico – onde as placas tectônicas do Pacífico e da Austrália convergem – é uma zona tectônica extremamente ativa e complexa. Além disso, a presença de muitas microplacas significa que muitos tipos diferentes de limites tectônicos ocorrem nas proximidades. Nestas interfaces, as placas colidem, divergem ou mergulham umas pelas outras aqui.


Zona de Subducção
Manam é parte do chamado Arco Vulcânico de Bismarck, cadeias de ilhas vulcânicas formadas sobre zonas de subducção, onde uma placa mergulha abaixo da outra. Ali, à medida que uma placa mergulha sob a outra, o magma localizado abaixo sobe até a superfície e perfura a placa superior, dando origem a um novo vulcão.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2022

"Como os políticos jamais acreditam no que dizem, costumam ficar surpresos quando os outros acreditam" - Charles de Gaulle -