Procure no Apolo11
Quarta-feira, 19 jan 2022 - 09h46
Por Rogério Leite

Topo do Vesúvio rompe as nuvens e é registrado do espaço

O Monte Vesúvio, situado a sudeste de Nápoles, na Itália, é um dos poucos vulcões ativos no continente europeu. A montanha já teve diversas erupções extremamente violentas e uma delas destruiu as cidades de Pompeia e Herculano, em 79 d.C. Atualmente, 800 mil pessoas vivem abaixo dele o que faz do Vesúvio um dos vulcões mais perigosos do planeta

Monte Vesúvio, registrado pelo satélite Landsat 8 em 2 de janeiro de 2022.
Monte Vesúvio, registrado pelo satélite Landsat 8 em 22 de janeiro de 2022.

O Monte Vesúvio faz parte do Arco Vulcânico da Campânia, que inclui a caldeira Campi Flegrei a oeste de Nápoles, perto de Agnano e do Monte Etna, na Sicília. O Vesúvio é um estratovulcão composto, formado por fluxos piroclásticos, fluxos de lava e fragmentos de lahars que se acumularam para formar o cone vulcânico.

Nesta cena, registrada no comprimento de onda da luz visível pelo satélite de sensoriamento remoto Landsat 8, em 2 de janeiro de 2022, podemos ver o cone do Monte Vesúvio, situado a 1281 metros de altura, rompendo as nuvens. A crista que circunda o cone é uma porção remanescente da caldeira colapsada de um vulcão mais antigo, o Monte Somma, do qual emergiu o cone atual do Vesúvio.


Vivendo Perigosamente
Viver abaixo do Vesúvio é uma conviver com o perigo. Nápoles tem uma população de 3 milhões de pessoas, 800 mil delas vivendo nas encostas do vulcão. Ao datar as lavas, os cientistas estimaram que a montanha teve oito grandes erupções nos últimos 17 mil anos, sendo que a erupção mais famosa ocorreu em 79 d.C, quando fluxos piroclásticos engoliram as cidades de Pompeia e Herculano.

Fluxo piroclástico é o nome dado à formação de nuvens superaquecidas de alta densidade de gás vulcânico, cinzas e rochas que fluem encosta abaixo a centenas de quilômetros por hora.

A erupção mais recente ocorreu em 17 de março de 1944 e destruiu a vila de San Sebastiano. Desde então, o vulcão experimentou atividade sísmica ocasional, deformação do solo e ventilação de gás da cratera.

O relato da erupção do ano 79 pela testemunha ocular Plínio, o Jovem, levou os vulcanologistas a chamar esses tipos de erupções de “Vesuvianas” ou “Plinianas”.

As catástrofes relacionadas ao Vesúvio são o motivo pelo qual a área se tornou o local do primeiro observatório vulcanológico do mundo, construído no século 19. Hoje, o Vesúvio continua sendo um dos vulcões mais monitorados e estudados do mundo.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2022

-