Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Quarta-feira, 9 abr 2014 - 10h49

Marte: Luz misteriosa existe e não é fruto da imaginação

No início de abril, uma imagem feita pelo jipe-robô Curiosity intrigou muita gente. A cena mostra uma estranha luz, uma espécie de farol muito forte, brilhando no horizonte do Planeta Vermelho. Ainda não há uma explicação, mas diversas hipóteses já foram levantadas.

Farol em Marte
Clique para ampliar

A cena foi registrada entre os dias 2 e 3 de abril pela câmera de navegação a bordo do jipe Curiosity e revela uma espécie de flash ou farol localizado próximo ao horizonte marciano, observado em apenas uma das cenas registradas.

Como sempre acontece nesses momentos, diversos blogs passaram a repercutir a imagem, quase sempre associando a estranha luz a uma suposta civilização inteligente ou até mesmo a alguma torre de uma distante cidade marciana.

De acordo com o Justin Maki, ligado ao Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, JPL e líder da equipe de engenheiros que projetou as câmeras a bordo do Curiosity, existe grande chance da luz observada ser o reflexo do Sol em alguma rocha, uma vez que quando as imagens foram feitas o Sol se encontrava baixo no horizonte e na mesma direção do flash.

Outra possibilidade, segundo Maki, é o flash ser um artefato produzido pela passagem da luz solar através de algum orifício na câmera, atingindo diretamente o sensor CCD. De acordo com o engenheiro, isso já ocorreu outras vezes com as câmeras do Curiosity e outros jipes em Marte e acontece quando a geometria dos raios solares está precisamente alinhada com o sensor da câmera.

Embora essas duas possibilidades sejam as mais aceitas, existe também a hipótese de o artefato ter sido produzido pelo impacto de partículas de raios cósmicos de alta energia, que ao atingirem o CCD produziu o referido clarão, algo muito comum de acontecer com os sensores dos telescópios espaciais.


Pareidolia
Pareidolia, um fenômeno psicológico que faz com que nosso cérebro interprete sons e imagens aleatórias como algo significativo e conhecido. Um exemplo bem conhecido de pareidolia é enxergar imagens nas nuvens.

Essa não é a primeira vez que objetos vistos na superfície marciana sejam interpretados como conhecidos, dando origem à verdadeiras teorias conspiratórias. Os mais conhecidos são a "Face de Marte" ou o Bigfoot, um homem que parecia sentado em uma pedra.

Diferente da pareidolia, dessa vez a luz observada não é uma ilusão. Ela realmente existe e foi registrada, mas não foi produzida por nenhuma civilização extraterrestre. Provavelmente, não passa de um reflexo de luz.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O segredo em negócios é saber alguma coisa que mais ninguém sabe." - Aristóteles Onassis