Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Furacões
Terça-feira, 12 set 2006 - 17h46

Furaão Florence passa pelas Bermudas e segue em direção ao Canadá

Em sua passagem pelo arquipélago das Bermudas, na segunda-feira, o furacão Florence arrancou telhados, derrubou árvores e deixou mais de 25 mil habitantes sem energia elétrica. De acordo com autoridades britânicas, a tempestade não causou maiores danos ou vítimas. Funcionários do zoológico de Bermuda informaram que dois flamingos rosa foram mortos devido à queda de algumas árvores.

Durante sua passagem, a tempestade produziu ondas de até 5 metros em diversas praias da costa norte-americana, 1000 quilômetros a oeste das Bermudas.

Em seu boletim número 36, o Centro Nacional de Furacões, NHC, informava que Florence iniciava sua transição extratropical e estava localizado sobre as coordenadas 38.2 N e 61.2 W, aproximadamente a 1155 km a sudoeste de Cabo Race, em Terra Nova, Canadá.

Florence move-se em sentido nordeste a 37 km/h e um aumento nesta velocidade deve ocorrer nas próximas 24 horas. Modelos numéricos de previsão mostram que neste rítimo, o sistema deve alcançar Terra Nova em um ou dois dias.

Os ventos máximos sustentados pela tormenta situam-se em 120 km/h, com fortes rajadas. Pequenas variações nesta intensidade deverão ocorrer nas próximas horas, durante sua transição em um grande ciclone extratropical.

A pressão barométrica estimada no olho da tempestade é de 982 hPa.

Imagem: O gráfico mostra as zona de perigo neste momento no Atlântico Norte. As áreas críticas são estacadas em cinza e referem-se não só a tempestade Florence, mas também à recém formada tempestade Gordon e à oitava depressão tropical, formada na manhã de terça-feira.

Saiba tudo sobre os furacões e sobre a temporada de 2006. Clique aqui!







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard