Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Furacões
Segunda-feira, 3 set 2007 - 10h03

Implacável, Félix ameaça países no Mar do Caribe

Potencialmente catastrófico. Assim os especialistas em tempestades severas do NHC, Centro Nacional de Furacões, localizado em Miami, classificam o gigantesco furacão Félix, em atividade sobre as águas quentes do Caribe. E não é para menos. Félix é um violento sistema de categoria 5 na escala saffir-Simpson e com mais de 3200 quilômetros de diâmetro. E para piorar, ruma determinado em direção ao norte de Nicarágua, Honduras e Belize.

Avisos de furacão e evacuação de áreas litorâneas já começam a ser emitidos pelas autoridades dos três países. Em Belize, a população já protege as janelas de suas residências com chapas de madeira e estoca alimentos e água.

Ontem, durante sua passagem pela península de Guajira, Félix provocou chuvas torrenciais de mais de 120 milímetros. Apesar de não rumar diretamente para a costa norte-americana, autoridades daquele país disseram que somente na sexta-feira teriam uma posição mais concreta sobre os rumos da tempestade.

As imagens de satélites recebidas às 09h00 desta segunda-feira mostravam o olho de Félix sobre a latitude 14.2 N e longitude 76.9 W, aproximadamente a 425 km ao sul de Kingston, na Jamaica e 685 km a leste de Cabo Gracias a Dios, na fronteira entre Nicarágua e Honduras.

Félix se move a 33 km/h em sentido oeste e este movimento médio deve se manter pelas próximas 24 horas. Confirmando-se este sentido de deslocamento e velocidade, Félix deverá se aproximar do extremo da costa da Nicarágua e nordeste de Honduras na terça-feira pela manhã.

Observações feitas por um avião caça-furação da NOAA, Administração Oceânica e Atmosférica, dos EUA, os ventos sustentados por Félix atingem 270 km/h com rajadas ultrapassando 290 km/h. Isso faz de Félix um violento sistema de categoria 5 na escala Saffir-Simpson, capaz de produzir ondas de mais de 5.5 metros de altura e destelhamento total da maioria das casas e prédios industriais.

Dados coletados pelo avião de reconhecimento mostram que apesar de Félix ser um furacão de grande intensidade, seu campo de vento é pequeno se comparado ao seu diâmetro. Os ventos com intensidade de furacão se estendem a 45 km a partir do seu centro e ventos de intensidade de tempestade tropical podem ser medidos a mais de 185 km de distância.

A pressão barométrica estimada no centro da tormenta permanece em 93.7 kPa, a mesma da última medição.

Artes: No topo, imagem de satélite do furação Félix, recebida na manhã de segunda-feira, 03 de setembro de 2007. Acima, modelo de previsão de ventos da tempestade, indicando a probabilidade dos ventos se manterem igual ou maior a 65 km/h. No canto superior esquerdo vemos outro furacão, Henriette, ema atividade na costa oeste do México.

saiba mais:
O avanço do furacão Félix no Atlântico norte pode ser acompanhado aqui no Apolo11.com através de imagens de satélites e modelos de previsão. Clique aqui







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O diabo é um otimista se pensa que pode fazer as pessoas piores do que são. " - Karl Kraus