Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Furacões
Segunda-feira, 01 set 2008 - 17h11

Diques resistem à passagem de Gustav por New Orleans

O furacão Gustav chegou ao litoral do Estado americano da Louisiana e atingiu a região de New Orleans com ventos de 175 km/h.

Furacão Gustav sobre a Louisiana

Gustav tocou a terra nas proximidades da localidade de Cocodrie, a oeste de New Orleans, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

Em New Orleans, os ventos fortes e a chuva torrrencial varriam as ruas da cidade que foi evacuada sob determinação obrigatória do prefeito, Ray Nagin. A imprensa local informou que em algumas ruas as bocas-de-lobo não estavam conseguindo dar vazão ao volume de chuva.

Até o início da tarde, os diques reforçados para proteger a cidade de inundações estavam resistindo. A maior preocupação das autoridades é com a região do Canal Industrial, no oeste da cidade. O canal liga o Lago Pontchartrain ao Rio Mississipi, e a água já estava transbordando a barreira às margens do canal.

Há três anos, New Orleans sofreu com a passagem do furacão Katrina que deixou 75% da cidade embaixo d'água e matou cerca de 1,8 mil pessoas.

Antes de chegar a terra firme, Gustav passou pelo Caribe, onde deixou mais de 80 mortos. O furacão chegou a atingir categoria 4, na escala Saffir-Simpson que vai até 5. Ao tocar o solo no Estado da Louisiana, Gustav perdeu força e agora é um furacão de categoria 1.

De acordo com último boletim emitido pelo NHC, os ventos sustentados de Gustav eram de 145 km/h com rajadas maiores. Ele se desloca no sentido noroeste com velocidade de 26 km/h.

Um aviso de furacão permanece em vigor do leste do Texas ao Mississipi e Alabama, incluindo a fronteira da cidade de News Orleans e o Lago Pontchartrain.

Foto: Furacão Gustav sobre New Orleans. Crédito: Modis/Nasa







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ningém que não entenda." - Cecília Meireles