Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Furacões
Quarta-feira, 10 set 2008 - 17h06

Vendaval deixa rastro de destruição no interior de Rondônia

Enviado por Daniel Panobianco

Um forte vendaval atingiu parte do Estado de Rondônia, pouco depois das 14 horas desta quarta-feira. Em pelo menos 14 municípios, as rajadas de vento passaram de 50 km/h atingindo picos de até 106 km/h.

O resultado foram postes derrubados, interrupção no fornecimento de energia elétrica, árvores arrancadas pela raiz, casas e estabelecimentos comerciais com telhados arrancados e acidentes de trânsito ao longo das rodovias e do eixo urbano.

Em Cacoal, a estação automática do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) instalada na sede da CONAB, já na saída pra Pimenta Bueno, registrou rajada máxima de vento de 20,9 m/s entre 13 e 15 horas (local), ou seja, ventos muito fortes de 75,2 km/h (Veja). As informações são de que na zona rural, principalmente, muitas casas foram destelhadas e árvores arrancadas pela raiz impediram o tráfego de veículos ao longo da rodovia BR-364, sentido Presidente Médici.

Em Vilhena, o vento soprou a 14,0 m/s ou 50,4 km/h (Veja) acompanhado de forte chuva na Zona Oeste da cidade. Na estação convencional da REDEMET (Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica) instalada no aeroporto local, as rajadas não passaram de 16,7 km/h.

Entre Chupinguaia, Espigão d’ Oeste, Pimenta Bueno, Primavera de Rondônia, Rolim de Moura, São Felipe d’ Oeste, Castanheiras e Alvorada d’ Oeste, rajadas intensas também provocaram danos, principalmente com queda de árvores e destelhamentos de construções na zona rural.

Foto: Imagem de satélite mostra nuvens do tipo cumulunimbus em azul escuro e rosa, indicando forte desenvolvimento vertical no leste e sul de Rondônia. Crédito: CPTEC/INPE.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire