Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Furacões
Quarta-feira, 19 out 2005 - 06h35

Wilma atinge força máxima, bate recorde e ruma para o golfo do México

O que as autoridades caribenhas e norte-americanas temiam aconteceu. Em seu boletim emitido às 06h00 (Hora de Brasília), o Centro Nacional de Furacões dos EUA, NHC, confirmou que o furacão Wilma atingiu a categoria 5 na escala Saffir-Simpson e é agora um gigante de força máxima.

Segundo dados de um avião de reconhecimento da força aérea norte-americana, a pressão barométrica no olho de Wilma é de apenas 884 hPa (hectopascais), a mais baixa já registrada na bacia do Atlântico e inferior à observada em 1935 durante a passagem do furacão "Dia do Trabalho", na península da Flórida.

Avisos de furacão se extendem em toda a região da costa leste do canal de Yucatán, desde cabo Catoche até Punta Gruesa. Em Cuba, todo o extremo oeste da ilha está em alerta máximo desde Matanzas até Pinar del Rio.

Autoridades Hondurenhas também estão emitindo alertas para toda a região próxima à fronteira com a Nicarágua.

No Haiti, Wilma já provocou a morte de 10 pessoas, devido aos deslizamentos provocados pelas chuvas.

Modelos numéricos de previsão, gerados através de supercomputadores (acima), sugerem que Wilma deve adentrar no golfo do México na sexta-feira, ao mesmo tempo que atinge o extremo oeste de Cuba e precipita chuvas torrenciais em toda a região do canal de Yucatán. Nesta região do mar do Caribe é grande a quantidade de balneários turísticos, em especial na costa mexicana, onde se encontra o polo turístico de Cancún.

Em menos de 24 horas Wilma passou de tempestade tropical à furacão categoria 5, capaz de causar surtos de tempestade de até 6 metros.

"Surto de tempestade" é a elevação instável da água do mar, sugada para cima pela baixa pressão causada pela passagem de um furacão.


Boletim
Em seu boletim número 15, emitido na manhã de hoje (quarta), o Centro Nacional de Furacões dava conta de que o olho de Wilma se localiza sobre a latitude 17.0 N e longitude 82.2 W, ou aproximadamente a 270 km a sul-sudoeste da ilha Grande Caiman e ao redor de 640 km a sudeste de Cozumel, no México.

Wima se move a 13 km/h em sentido oeste-noroeste e um giro na direção noroeste é esperado para as próximas 24 horas.

Os ventos máximos produzidos pela tormenta e sustentados durante 1 minuto são de 287 km/h com rajadas atingindo a impressionante marca de 344 km/h. Isso faz de Wilma um furacão extremamente violento, de categoria 5 na escala Saffir-Simpson.

A força de seus ventos é tão grande que pode se sentida com essa intensidade até 75 km desde seu centro.

Dados de um avião caça-furacão da força aérea americanas indicam que a pressão barométrica medida no olho da tempestade é de apenas 884 hPa (hectopascais). Essa é o mais baixo valor já medido na bacia atlântica e inferior à observada em 1935 durante a passagem do furacão "Dia do Trabalho", na península da Flórida. Naquela ocasião os barômetros registraram 892 hPa.

  • Conheça a escala Saffir-Simpson


    Veja abaixo como se forma um furacão

    Satélite ao vivo
    Acompanhe as imagens atualizadas da região do golfo do México vistas através do satélite geoestacionário GOES-12.
    Clique aqui !







  • Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

    "Dignidade não consiste em possuir honrarias, mas em merecê-las" - Aristóteles