Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Vulcões
Sexta-feira, 19 fev 2010 - 09h23

Satélite registra dupla erupção vulcânica no leste da Rússia

Localizada no extremo leste da Rússia, a Península de Kamchatka é um dos lugares com a maior concentração de vulcões em todo o planeta. As atividades são registradas praticamente todos os dias e muitas vezes as erupções acontecem simultaneamente, revelando o insistente movimento magmático localizado abaixo da superfície.

Vulcao Bezymianny e Klyuchevskaya
Clique para ampliar

Um desses momentos foi registrado no dia 13 de fevereiro de 2010 pelo satélite de sensoriamento remoto Terra. A cena mostra dois vulcões em atividade simultânea, emitindo grande quantidade de cinzas e fumaça que se estendem por diversos quilômetros acima da península. Ao norte vemos o gigantesco vulcão Klyuchevskaya e ao sul seu vizinho Bezymianny.

O baixo ângulo do Sol ilumina as enrugadas montanhas de Kamchatka, bem como as paredes das plumas de fumaça voltadas para o sul. Neste tipo de imagem, a cor e o brilho das plumas sugerem que a quantidade de fumaça expelida é bem maior que a quantidade de cinzas em suspensão, que se deslocam para o norte.


Klyuchevskaya
Com 4.835 metros, Klyuchevskaya (também chamado Kliuchevskoi) é a montanha mais alta da península e o maior vulcão de toda a Eurásia. É um vulcão do tipo estrato, formado por uma estrutura cônica composta de camadas alternadas de lava solidificada, cinzas endurecidas e fragmentos de rocha que foram ejetados por erupções anteriores.

A erupção mostrada é consequência de uma série de atividades sísmicas iniciadas em 11 de fevereiro de 2010, detectadas e reportadas pelo Grupo de Resposta de Erupções do Kamchatka, KVERT. Segundo o Grupo, as plumas atingiram 6 mil metros de altitude e foram acompanhadas de fluxos de lava, erupções estrombolianas e arremessos de pedras que atingiram mais de 300 metros acima do topo do vulcão.

Erupções estrombolianas são caracterizadas por explosões sequenciais, provocadas pela liberação de gases vulcânicos. Tipicamente ocorrem com diferença de poucos minutos e muitas vezes são ritmadas.


Bezymianny
Comparado ao seu vizinho maior, Bezymianny é uma criança. Com 2.882 metros acima do nível do mar, a montanha também é do tipo estrato. Monitorado pelo KVERT, Bezymianny começou a apresentar forte sismicidade entre 5 e 6 de fevereiro e experimentou explosões moderadas, acompanhadas de emissão de cinzas e fumaça que atingiram mais de 3 mil metros de altura.


Fossa Kuril-Kamchatka Kamchatka

Localizada acima da placa tectônica de Okhotsk, a península de Kamchatka agrupa aproximadamente 160 vulcões, dos quais 70 são considerados ativos.

O motivo de tanto vulcanismo é explicado pela posição da península, rodeada ao norte pela placa norte-americana, ao leste pela placa do Pacífico, ao sul pela placa das Filipinas e ao oeste pela placa da Eurásia. A grande quantidade de movimentos de diversas direções comprime e estica a placa da península, forçando o magma a jorrar para fora das montanhas.

Ao leste de Kamchatka, a placa do Pacífico afunda 90 milímetros ao ano abaixo da placa de Okhotsk. Além do intenso vulcanismo, esse afundamento cria um enorme vale no fundo do oceano. Chamada de fossa de Kuril-Kamchatka, a depressão tem aproximadamente 10500 metros de profundidade.



Ilustrações: No topo, imagem captada pelo satélite de sensoriamento remoto Terra mostra a dupla erupção dos vulcões Bezymianny e Klyuchevskaya, na península de Kamchatka, em 11 de fevereiro de 2010. Acima, diagrama mostra parte das tensões que agem sobre o local, com destaque para o afundamento da placa do Pacífico sob a placa de Okhotsk. Crédito: Nasa/MODIS/Apolo11.com.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O segredo em negócios é saber alguma coisa que mais ninguém sabe." - Aristóteles Onassis