Siga o Apolo11 no Facebook   Siga o Apolo11 no Twiiter
Ciência, Espaço e Tecnologia

Lunetas e Telescopios

Victor Hugo

05/11/2007
20h15
Anéis de Saturno
Categoria: Astronomia e Astrofísica

Um artigo publicado na edição desta semana da revista Nature (Sremcevic et alano-luz (al)

O ano-luz (al) é uma unidade de distância igual a 9,467305 x 1012 km, que corresponde à distância percorrida pela luz, no vácuo, durante um ano. , "A belt of moonlets in SaturnSaturno

Saturno é o sexto planeta do Sistema Solar, a contar do Sol. Com um diâmetro cerca de 10 vezes o da Terra, é o segundo maior planeta do Sistema Solar. A sua característica mais marcante são os belos anéis que o rodeiam.'s A ring", Nature 449, 1019-1022) apresenta imagens do que se pensa serem micro-luas (com dimensões na ordem dos 30 a 70 metros de raio) incorporadas no anel A de Saturno. Estes objectos diminutos concentram-se numa região específica no interior do anel, com cerca de 3000 km de raio, e situada a aproximadamente 130 000 km do planetaplaneta

Um planeta é um objecto que se forma no disco que circunda uma estrela em formação e cuja massa é superior à de Plutão (1/500 da massa da Terra) e inferior a 10 vezes a massa de Júpiter. Ao contrário das estrelas, os planetas não produzem luz, apenas reflectem a luz da estrela que orbitam. .

A sua existência dá peso à hipótese de se darem com alguma regularidade disrupções catastróficas de pequenos satélites (devido a impactos com meteoróides), processo que permitirá o reabastecimento do anel com partículas de menores dimensões. De facto, o estudo sugere que um objecto de cerca de 10 km de raio se despedaçou no passado, provavelmente há cerca de 30 milhões de anos, tempo que a dinâmica do sistema levou a fechar a abertura que se supõe ter existido antes nessa zona - por analogia com o que se passa com Pã, um dos satélites de Saturno descobertos depois da visita das Voyager, com pouco menos de 10 km de raio e responsável pela divisão de Encke, uma espécie de "falha" no anel A de Saturno.


Victor Hugo

05/11/2007
20h22
Este trabalho adianta ainda que a análise da distribuição de tamanhos das partículas em diferentes regiões do anel A pode dar indicações sobre a sua evolução ao longo do tempo, já que estas micro-luas vão sendo desgastadas por impactos e acabam por desaparecer, enquanto o número de partículas menores se mantém aproximadamente constante.

Imagem:

http://img218.imageshack.us/img218/527/foto15201ce1.jpg

Importante: Todos os posts são de total responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Apolo11.com. Informações sobre nossa Política de Privacidade podem ser encontradas no rodapé da página.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ningém que não entenda." - Cecília Meireles