Siga o Apolo11 no Facebook   Siga o Apolo11 no Twiiter
Ciência, Espaço e Tecnologia

Lunetas e Telescopios

Paulo

30/12/2008
21h06
Objeto misterioso deixa astrônomos sem palavras
Categoria: Astronomia e Astrofísica

Em um artigo publicado na revista científica Astrophysical Journal, astrônomos disseram ter encontrado um novo tipo de coisa que eles não conseguiram entender.

Os cientistas do projeto Supernova Cosmological Project, da Universidade de Berkeley nos EUA, usaram o Telescópio Espacial Hubble para monitorar agrupamentos de galáxias procurando por supernovas. Em fevereiro de 2006, quando olhavam em direção à Constelação do Norte, o Hubble detectou um objeto que começou a brilhar.

Ele continuou a brilhar por 100 dias e chegou a 21ª magnitude em duas cores próximas do infravermelho. Em seguida ele foi se apagando em uma escala de tempo similar, até que nada restou para ver. O objeto brilhou e apagou em um fator de ao menos 120 vezes, talvez mais.

O objeto misterioso não se comportou como nenhum tipo de supernova conhecida. Não é também uma galáxia detectável. "A forma da luz curva é inconsistente…", disseram os pesquisadores. Eles gravaram três espectros do objeto e, segundo escreveram, os espectros "além se serem inconsistentes com todos os tipos conhecidos de supernovas, não mostraram compatibilidade com qualquer espectro" de uma grande e importante base de dados com uma vasta quantidade de objetos chamada Sloan Digital Sky Survey database. "Nós sugerimos que o [objeto] transitório pode pertencer a uma nova classe."

Qual é a distância? Este seria certamente o primeiro passo para começar a desvendá-lo, mas a sua falta de movimento com relação a nós, chamado de movimento paralaxe, diz que ele não pode estar a menos de 130 anos-luz de distância. Porém, a falta de absorção de hidrogênio cósmico no seu espectro significa que também não pode estar mais distante do que 11 bilhões de anos-luz. É um intervalo considerável.

O artigo que tem como autor principal o pesquisador Kyle Barbary pode ser baixado no link abaixo:

http://arxiv.org/PS_cache/arxiv/pdf/0809/0809.1648v1.pdf

Importante: Todos os posts são de total responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Apolo11.com. Informações sobre nossa Política de Privacidade podem ser encontradas no rodapé da página.

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire